Virgílio de Lemos: o intelectual em trânsito

Luciana Brandão Leal

Resumo


Este artigo tem por objetivo investigar alguns traços significativos da poética de Virgílio de Lemos, que através da polifonia revelou-se rebelde e transgressora em relação ao modelo literário vigente em Moçambique. O poeta criou novas imagens e vocabulário, imprimiu novo ritmo a sua poesia, a fim de revelar os múltiplos saberes culturais presentes em seu país. A produção dos vários heterônimos (Duarte Galvão, Bruno Reis e Li Lee Yang) revela o esforço para acompanhar as inovações trazidas pelas vanguardas europeias, pelo modernismo brasileiro, além de romper com os paradigmas coloniais. Para o estudo aqui proposto, foram selecionados alguns textos publicados na antologia Eroticus Moçambicanus (1999), organizada por Carmen Lúcia Tindó Secco (UFRJ). Esse livro reúne os ciclos representativos da obra virgiliana, especialmente o que foi produzido entre 1944-1963. Da lírica virgiliana sobressaem a irreverência e a transgressão, constituindo-se como uma atitude subversiva em busca da identidade, além do grito de um poeta inconformado frente à repressão colonialista.


Palavras-chave


Identidade; Poesia; Polifonia; Resistência; Virgílio de Lemos.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18n2p21

Direitos autorais 2013 Luciana Brandão Leal

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.