Damas e Donas de si: leituras de "Minha Senhora de Mim" de Maria Teresa Horta e "Minha Senhora de Quê" de Ana Luísa Amaral

Fabio Mario da Silva

Resumo


O reencontro consigo mesma, o “vestir-se” de si mesma, numa representação mais íntima da “alma feminina”, fazendo dos motivos do quotidiano uma amálgama de referências importantes, permite que Maria Teresa Horta e Ana Luísa Amaral construam uma poética na qual o “eu” lírico feminino tem não apenas a posse daquilo que observa, mas também o poder de decisão sobre a sua vida, como “dama” e “dona” de si, centrado num discurso livre da opressão patriarcal. Analisaremos como as várias “senhoras” são construídas nessas duas obras, sublinhando que Minha Senhora de Mim se configura como um marco inicial da poesia portuguesa feminina, abrindo uma fenda para restituir a posse do discurso (e do seu corpo) às mulheres, sem o pesar de impedimentos socioculturais que venham limitar o labor da mulher escritora; e como Ana Luísa Amaral, parafraseando Maria Teresa Horta numa evidente homenagem, em Minha Senhora de Quê, constrói uma obra com identidade própria, dentro de uma outra perspetiva feminista (feminina).


Palavras-chave


Poder; Discurso Feminista; Mulheres escritoras; Maria Teresa Horta; Ana Luísa Amaral

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18n2p9

Direitos autorais 2013 Fabio Mario da Silva

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.