Uma poética do silêncio: trauma, representação e linguagem em "Fuga da morte", de Paul Celan

Autores

  • Maria Esther Torinho Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2014v19n2p107

Palavras-chave:

Paul Celan, Fuga da morte, Testemunho, Representação, Polifonia

Resumo

No poema Fuga da morte, Paul Celan nos apresenta situações vivenciadas por ele mesmo em um campo de concentração nazista, o que insere o poema no contexto da Literatura de testemunho; trata-se de um poema imbuído de alta carga dramática, no qual conteúdo e forma aliam-se para oferecer uma leitura densa, carregada de significado. Pode-se perceber, no poema, que o silêncio comanda a cena, exprimindo, por meio das diversas lacunas deixadas por uma linguagem fragmentada, aquilo que é difícil para o poeta exprimir, o que é indizível, o que leva o leitor a um sentimento de estranheza, apossando-se da significação apenas por etapas e por entre as lacunas. Este artigo aborda o poema a partir de conceitos relativos à Literatura de testemunho e a impossibilidade de representar o real (Roland Barthes); no plano formal, além de conceitos de Mikhail Bakhtin e de Barros e Fiorin sobre polifonia, dialogismo e interdiscursividade; além disso, partindo do conceito musical de fuga, conforme sugerido pelo título do poema e evidenciado no texto, é abordada a linguagem figurada – metáforas e metonímias, ironia e elipses, como estratégias do autor para enfrentar a aporia entre trauma e representação, tendo-se assim, uma poética do silêncio, nos quais as elipses e as metáforas adquirem papel fundamental. 

Biografia do Autor

Maria Esther Torinho, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutoranda em Letras/Estudos Literários

Departamento de Línguas e Letras

Downloads

Publicado

2014-10-23

Como Citar

TORINHO, M. E. Uma poética do silêncio: trauma, representação e linguagem em "Fuga da morte", de Paul Celan. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 107-122, 2014. DOI: 10.5007/2175-7917.2014v19n2p107. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2014v19n2p107. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos