Wenceslau de Moraes, intérprete da cultura japonesa

Autores

  • Claudio Alexandre Barros Teixeira Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2015v20n2p153

Palavras-chave:

Haicai, Tanka, Ideograma

Resumo

No presente artigo, comentaremos a recepção crítica e criativa da poesia japonesa na obra do escritor, diplomata e militar português Wenceslau de Moraes, que foi o primeiro tradutor do haicai japonês para a língua portuguesa. O autor adotou a forma da quadra poética em redondilhas para a transcriação dos tercetos japoneses e valorizou os trocadilhos, paronomásias, expressões populares e outros elementos de função poética presentes no haicai tradicional, além de comentar aspectos da arte poética, filosofia, religião, estética e da língua japonesa, a partir dos princípios filosóficos do xintoísmo e do budismo zen. Suas obras completas, que reúnem ensaios, cartas, diários e relatos de viagens, incluem 14 volumes dedicados ao Japão e à cultura japonesa, entre os quais se destaca Relance da alma japonesa, publicado em 1925, no qual aborda desde a poesia tradicional de corte, reunida nas antologias palacianas, publicadas a partir do século VIII d.C., até o haicai clássico e as canções e provérbios populares. 

Biografia do Autor

Claudio Alexandre Barros Teixeira, Universidade de São Paulo

Claudio Alexandre de Barros Teixeira realizou o mestrado e o doutorado em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo, defendendo tese sobre o tema “A recepção da poesia japonesa em Portugal”. Atualmente, realiza pós-doutorado em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Minas Gerais. Como poeta, publicou diversos livros com o pseudônimo de Claudio Daniel, entre eles Figuras metálicas (São Paulo: Perspectiva, 2004).

Downloads

Publicado

2015-09-03

Como Citar

BARROS TEIXEIRA, C. A. Wenceslau de Moraes, intérprete da cultura japonesa. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 153-164, 2015. DOI: 10.5007/2175-7917.2015v20n2p153. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2015v20n2p153. Acesso em: 13 maio. 2021.

Edição

Seção

Letras & Imagens: signos em rotação