O pai dos contos: "Lo cunto de li cunti. O trattenimiente de li peccerille (Pentamerone)" de Giambattista Basile

Autores

  • Andrea Lombardi Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2015v20nesp1p51

Palavras-chave:

Giambattista Basile, Italo Calvino, Fábulas italianas, Irmãos Grimm, Expressionismo literário

Resumo

Em seu prefácio à coletânea Fábulas italianas, Calvino toma os contos dos irmãos Grimm (1812) como modelo, mas critica seu caráter violento e “sanguinário”. Ele imita rigorosamente a coletânea dos autores alemães, selecionando o mesmo número de fábulas (200) e também decide traduzir todos os textos, escritos originalmente em dialeto, para a língua italiana, adaptando arbitrariamente enredos e nomes. Em relação a Giambattista Basile [BASILE: 1999 e 2000], autor de Lu cunto de li cunti (ou Pentamerone), uma coletânea de 50 contos, redigidos em napolitano em 1646, um autor celebrado, imitado e traduzido pelos irmãos Grimm, Calvino foi francamente omisso. Trata-se de um autor proto-expressionista, que apresenta em sua obra as versões mais antigas de muitos contos conhecidos (Cinderela, Branca de Neve, O Gato de botas, A bela adormecida entre outros) foi traduzido para o italiano pelo filósofo Benedetto Croce somente em 1925. O assim-chamado Pentamerone (por associação ao Decameron de Boccaccio), teve uma surpreendente tradução para o alemão, publicada em 1846, graças ao estímulo dos irmãos Grimm, que veneravam o autor italiano como grande mestre do conto maravilhoso. O triângulo virtual que se forma entre Calvino, os irmãos Grimm e Basile, tem num de seus ângulos a denegação calviniana do autor napolitano e no outro, a obra maior deste autor, a qual reforça a importância, vivacidade e consistência dos dialetos na tradição literária italiana. Entre Calvino e Basile, os irmãos Grimm parecem representar uma mediação singular e típica entre a cultura alemã e a italiana.

Biografia do Autor

Andrea Lombardi, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente e pesquisador da UFRJ, é licenciado em Letras (Universidade de Roma, 1975), em música (Conservatório de Nápoles, 1968), Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada (USP, FFLCH, DTL, 1994), Coordenador do grupo de Pesquisa ESTTRADA (Estudos de Tradução e adaptação) CNPq, Vice- líder do Grupo de Pesquisa do CNPq Viagens: entre literaturas e culturas;  é autor de ensaios, artigos e estudos sobre Dante Alighieri, Giovanni Boccaccio, Antonio Manetti, Michelangelo Buonarroti, Giacomo Leopardi, Primo Levi, Giorgio Manganelli e OUTROS. Organizou, entre outros, (junto a Susana K. Lages) um número especial de Libri e Riviste d´Italia, Roma-Italia, Pres. Consiglio dei Ministri, speciale Traduzione . Lecionou na UFRGS, na USP, na UNICAMP e, desde 2005, na UFRJ.

Downloads

Publicado

2015-03-07

Como Citar

LOMBARDI, A. O pai dos contos: "Lo cunto de li cunti. O trattenimiente de li peccerille (Pentamerone)" de Giambattista Basile. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 51-74, 2015. DOI: 10.5007/2175-7917.2015v20nesp1p51. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2015v20nesp1p51. Acesso em: 1 dez. 2020.