Wallace Stevens: o hermetismo como leitura do real

Autores

  • Maria Luísa Fumaneri Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2016v21n1p92

Resumo

A poesia de Wallace Stevens (1879-1955) é sempre considerada um desafio à interpretação, coerente com a tradição do modernismo de Stéphane Mallarmé em Um lance de dados, graças à sua obscuridade e conteúdo filosófico. O objetivo deste trabalho é mostrar como esse paralelo entre a obra dos dois poetas pode elucidar alguns problemas que assombram a interpretação de poesia moderna, a saber: as ligações entre linguagem e realidade e o papel da poesia no conhecimento. Primeiramente, há uma análise do significado do problema, da forma como aparece na obra-prima de Mallarmé. Depois, uma tentativa de demonstrar, em alguns poemas do autor americano, como o problema é formulado em outros termos em sua teoria da poesia como Ficção Suprema. Para estes fins, os poemas escolhidos foram “Treze maneiras de olhar para um melro” e “O homem da guitarra azul”, na medida em que eles demonstram duas formas diferentes de abordar a questão da relação entre representação poética e realidade.

Biografia do Autor

Maria Luísa Fumaneri, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Letras (Estudos Literários) pela Universidade Federal do Paraná. Professora do Instituto Superior de Educação Nossa Senhora de Sion, Curitiba, PR.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

FUMANERI, Maria Luísa. Wallace Stevens: o hermetismo como leitura do real. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 92–113, 2016. DOI: 10.5007/2175-7917.2016v21n1p92. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2016v21n1p92. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos