Estudo sobre a figurabilidade em Balzac: A desfiguração do portrait de Camille Maupin

Autores

  • Paula Caldas Frattini Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2016v21n2p134

Resumo

Nesse artigo, a ideia corrente da leitura do descritivo em Balzac como uma “mania” estilística ou como a inscrição do mundo sensível no romance prefigurando, dessa feita, uma romance de significação coerente e coesa, é reavaliada. A intenção, aqui, é sugerir ao leitor a análise de um elemento da poética balzaquiana - a figurabilidade - seus alcances estéticos e os possíveis problemas da relação entre o romance e as questões de representação. O retrato da personagem Camille Maupin do romance Béatrix desponta, dessa forma, como uma composição figurativa problemática referente à afirmação de que nos romances balzaquianos o que impera é uma representação fiel do mundo sensível. No lugar de uma  reprodução fiel, notamos uma reconfiguração do corpo sensível. Na esteira do estudo de Georges Didi- Huberman sobre a semelhança informe em George Bataille e o conceito batailliano de materialismo, propomos a leitura do corpo de Camille Maupin como a descrição de um corpo informe, priorizando a maneira como o texto ficcional balzaquiano torna a figura humana visível.

Biografia do Autor

Paula Caldas Frattini, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Letras Modernas Francês/Português pela Universidade de São Paulo (1997), mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada - Fauldade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais- USP (2010) e Doutorado em Letras obtido no Programa Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês pela Universidade de São Paulo (2015) com período sanduíche Université Paris Diderot - Paris 7 (Orientador: José-Luis Diaz). 

Downloads

Publicado

2016-12-06

Como Citar

FRATTINI, . C. Estudo sobre a figurabilidade em Balzac: A desfiguração do portrait de Camille Maupin. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 21, n. 2, p. 134–144, 2016. DOI: 10.5007/2175-7917.2016v21n2p134. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2016v21n2p134. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Pesquisadores docentes