Ficção 80/90: literatura e epidemia discursiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p130

Resumo

Este artigo pretende reanalisar parte da produção literária brasileira dos anos 1980, a partir das contradições de uma década marcada, simultaneamente, pelo arrebatamento e pelo terror.  Período caracterizado pela euforia em torno da redemocratização, o decênio é também impactado pela descoberta da AIDS como pandemia, acontecimento responsável pela regulação dos corpos — ocasionada pela ênfase na prática do sexo seguro — e pela estigmatização da homossexualidade. Em Aids e suas metáforas, Susan Sontag (1989) analisa o imaginário em torno da doença, cujos desdobramentos seriam tanto o recrudescimento do preconceito contra homossexuais quanto a culpabilização das vítimas do vírus. Quando retomados e associados ao contexto brasileiro, os argumentos de Sontag (1989) assumem conotações distintas, que permitem revisitar a literatura brasileira a partir do olhar que as manifestações do período direcionaram à pandemia (recorte praticamente ignorado pela historiografia e pela crítica literária). Esse viés também permite refletir sobre a “utilidade” que a insistente exploração das metáforas ligadas à AIDS pode ter assumido. O desenvolvimento dessas propostas tomará os contos “Linda, uma história horrível” e “Depois de agosto”, ambos do escritor brasileiro Caio Fernando Abreu (1988; 1995), como referências para a análise.

Biografia do Autor

Renata Farias de Felippe, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Teoria Literária (2009) e Mestre em Literatura Brasileira (2003) pela Universidade Federal de Santa Catarina, graduada em Letras/Português pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (2000). Professora Associada (nível 1) da Universidade Federal de Santa Maria, realizou pós-doutorado no Programa de Literatura e Cultura da Universidade Federal da Bahia (2017).

João Alcides Haetinger Esmerio, Universidade Federal de Santa Maria

Graduado em Letras Português Bacharelado pela Universidade Federal de Santa Maria (2017). Mestrando em Estudos Literários no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria. Bolsista CAPES. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Letras, Linguística e Literaturas em Língua Portuguesa.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Linda, uma história horrível. In: ABREU, Caio Fernando. Os dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Cia. Das Letras, 1988. p. 13-22.

ABREU, Caio Fernando. Depois de agosto. In: ABREU, Caio Fernando. Ovelhas negras. Porto Alegre: L&PM, 2010, p. 121-127.

ALÓS, Anselmo Peres. Corpo infectado/corpus infectado: aids, narrativa e metáforas oportunistas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 3, e57771, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/1806-9584-2019v27n357771/42081. Acesso em: 27/04/2020.

BRASIL. Lei n. 9.313, de 13 de novembro de 1996, que dispõe sobre a distribuição gratuita de medicamentos aos portadores do HIV e doentes de AIDS. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 13 de nov. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 158, de 4 de fevereiro de 2016, que redefine o regulamento técnico de procedimentos hemoterápicos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 04 de fev. 2016.

INÁCIO, Emerson da Cruz. Carga zerada: HIV/AIDS, discurso, desgaste, cultura. Via Atlântica, São Paulo, n. 29, p. 479-505, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ viaatlantica/article/view/118885. Acesso em: 06/09/2019.

MARKENDORF, Marcio; FELIPPE, Renata de. Ficções da peste: esboço para um estudo do imaginário ficcional das doenças. Scripta Uniandrade, Curitiba, v.16, n. 11, p. 309-331, 2018. Disponível em: https://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/ScriptaUniandrade/article/view/87 2/828. Acesso em: 27/04/2020.

MORAIS, Preciliana de; AMORIM, Rosendo de. Políticas públicas de saúde e campanhas de prevenção à AIDS: resgatando algumas controvérsias enfrentadas nas décadas de 80 e 90. Tempo da Ciência. Cascavel, v.18, n. 35, p. 95-113, 2011. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/tempodaciencia/article/view/9003/6595. Acesso em 27/04/2020.

SONTAG, Susan. AIDS e suas metáforas. Trad. de Michael Henry Heim. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SÜSSEKIND, Flora. Ficção 80: dobradiças e vitrines. In: SÜSSEKIND, Flora. Papéis colados. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2003. p. 257-272.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

FELIPPE, Renata Farias de; ESMERIO, João Alcides Haetinger. Ficção 80/90: literatura e epidemia discursiva. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 130–144, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n1p130. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n1p130. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"