Sexualidades em trânsito: deslocamentos queer e conflitos espaciais em "Todos nós adorávamos caubóis", de Carol Bensimon

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p22

Resumo

Este artigo trata da viagem como espaço de construção da sexualidade no romance Todos nós adorávamos caubóis (2013), de Carol Bensimon, discutindo o deslocamento como possibilidade de (auto)conhecimento identitário, os conflitos existentes entre o solo gaúcho e as sexualidades ex-cêntricas, bem como a articulação dos papéis de gênero nas atitudes das personagens. Justifica-se a análise da obra por narrar mulheres lésbicas/bissexuais como protagonistas em locais de predominância cultural machista, fundamentando-se em estudos da literatura brasileira contemporânea e na teoria queer, baseando-se principalmente em teóricas como Regina Dalcastagnè (2012; 2015), Judith Butler (2019) e Guacira Lopes Louro (2014; 2018). Entende-se que a viagem é importante para a compreensão das personagens, ao tornar visíveis aspectos não antes percebidos, tanto em relação às suas sexualidades quanto às outras relações sociais. Conclui-se que os espaços, mesmo quando conflituosos, atuam como necessários para a constituição identitária das personagens, e elas também se tornam definitivas para uma possível mutação nos ambientes. Além disso, percebe-se que, mesmo incorporando padrões de gêneros como norteadores identitários, as personagens queerizam os locais percorridos, ultrapassando as fronteiras e colocando-se continuamente em trânsito.

Biografia do Autor

Daniele Gallindo Gonçalves Silva, Universidade Federal de Pelotas

Professora Adjunta da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em Germanistk/Ältere Deutsche Literatur (Germanística/Literatura Alemã Antiga) pela Otto-Friedrich-Universität Bamberg (2011). Possui mestrado em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005) e graduação em Letras Português-Alemão pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). 

Jessé Carvalho Lebkuchen, Universidade Federal de Pelotas

Graduado em Letras - Português e Espanhol pela Universidade Federal de Pelotas (2017). Atualmente é mestrando em Letras na Universidade Federal de Pelotas, na linha de pesquisa Literatura, Cultura e Tradução, e cursa especialização em Linguagens Verbais e Visuais e suas Tecnologias no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense.

Referências

ALMEIDA, Ana Luiza Nunes. A representação da homoafetividade em Duas iguais, de Cíntia Moscovich e Morangos mofados, de Caio Fernando Abreu. 2015. 120 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Letras e Comunicação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

ALÓS, Anselmo Peres. Prolegomena queer: gênero e sexualidade nos estudos literários. Caderno de Letras da UFF, Niterói, n. 42, p. 199-217, 2011.

BENSIMON, Carol. Todos nós adorávamos caubóis. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. 17. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. Apresentação. In: DALCASTAGNÈ, Regina; AZEVEDO, Luciene (Orgs.). Espaços possíveis na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk, 2015.

DEFILIPPO, Juliana Gervason. Cíntia Moscovich e Carol Bensimon: a personagem homossexual feminina na literatura brasileira contemporânea. Estudos da Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 49, p. 275-287, set./dez. 2016.

FREITAS, Letícia Fonseca Richthofen de; SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. A figura do gaúcho e a identidade cultural latino-americana. Educação, Porto Alegre, v. 2, p. 263-281, mai./ago. 2004.

GONZÁLEZ FERNÁNDEZ, Helena. Romance de estrada: memória afetiva e sexualidade em Carol Bensimon. Estudos da Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 50, p. 84-101, jan./abr. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

POLESSO, Natalia Borges. Geografias lésbicas: literatura e gênero. Criação & Crítica, São Paulo, n. 20, p. 3-19, abr. 2018.

RESENDE, Beatriz. Contemporâneos: expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2008.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria queer. Trad. de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SILVA, Raquel Holstein da. A representação da identidade feminina na obra A casa das sete mulheres, de Letícia Wierzchowski. Mafuá, Florianopólis, n. 9, p. 1-19, 2008.

WIERZCHOWSKI, Letícia. A casa das sete mulheres. 13. ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

SILVA, Daniele Gallindo Gonçalves; LEBKUCHEN, Jessé Carvalho. Sexualidades em trânsito: deslocamentos queer e conflitos espaciais em "Todos nós adorávamos caubóis", de Carol Bensimon. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 22–38, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n1p22. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n1p22. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"