O fantasma travesti: uma rapsódia queer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n1p39

Resumo

Este artigo apresenta uma análise crítica do romance O fantasma travesti (1988), de Sylvia Orthof, cuja forma e construção das personagens travam proximidades com o discurso da teoria queer no que se refere à desconstrução dos arquétipos binários de gênero e da performatividade enquanto dispositivo de criação de novas maneiras de se entender o corpo, o gênero e as sexualidades. Tendo como escopo teórico as contribuições de Butler (2015) e Louro (2001), propomos uma aproximação entre a teoria queer e a teoria da ficção com a finalidade de compreender o romance de Orthof enquanto um processo no qual a política da escrita, conceito sugerido por Rancière (1995), desempenha um papel importante na representação da personagem Ziriguidum. Criada sob a égide da paródia de gênero e sob a influência da narrativa fantástica, Ziriguidum é uma ode ao queer. A linguagem com a qual ela se constrói reverbera a ambiguidade e a inconstância que caracterizam a teoria queer, além de ilustrar a confusão pronominal que se instaura quando há a necessidade de se referir às pessoas trans. 

Biografia do Autor

Emerson Silvestre, Instituto Federal de Pernambuco

Doutorando em Letras (teoria da literatura) pela Universidade Federal de Pernambuco e mestre em Letras pela mesma instituição. Possui bacharelado em Letras também pela UFPE e licenciatura em Letras português/inglês pela Faculdade São Miguel. Atua nas áreas de Teoria da Literatura, Crítica Literária, Estudos Culturais e Ensino de Língua Estrangeira. Atualmente é professor do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), campus Recife.

Referências

BUTLER Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CABRAL, Marcia Andrade Morais. Semiótica e argumentação: análise das obras de literatura infantil de Silvia Orthof. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.

DOLEŽEL, Lubomír et al. Teorías de la ficción literária. Compilação de textos, introdução e bibliografia de Antonio Garrido Domínguez. Madrid: Arco/Libros S.L.,1997.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, Luiz Costa (Org.). Teoria da Literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 2. p. 955-985.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer: Uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 541-553, 2001.

ORTHOF, Sylvia. O fantasma travesti. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1988.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

RANCIÈRE, Jacques. Partilha do sensível: estética e política. Trad. de Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org; Editora 24, 2009.

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica Cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-15

Como Citar

SILVESTRE, Emerson. O fantasma travesti: uma rapsódia queer. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 39–52, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n1p39. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n1p39. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ficções queer brasileiras"