A persistência da voz poética em Stela do Patrocínio: entre a oralidade e a escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n2p28

Palavras-chave:

Stela do Patrocínio, Produção de presença, Poesia contemporânea, Oralidade, Escrita

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma leitura de Reino dos bichos e dos animais é o meu nome (DO PATROCÍNIO, 2001), obra com a produção poética oral de Stela do Patrocínio e transcrita por Viviane Mosé. Percebida a colocação de uma voz poética viva nos poemas, nosso interesse primeiro foi discutir como esta se desloca da oralidade para a escrita. Para tanto, analisamos a poética de Stela do Patrocínio a partir de dois vieses. Por um lado, nosso interesse centrou-se em como a questão da autoria é refratada, ao transpor a poética para a poesia escrita. Por outro, voltamo-nos para a relação do leitor com esta voz poética, entendendo os dois em suas dimensões corpóreas, e ocupando lugares no espaço. Para tanto, recorremos às contribuições principalmente de Foucault (2009, 2011), Gumbrecht (2010) e Zumthor (2014). Em meio ao debate, evidencia-se a voz poética nos versos, uma vez que, ao fazer uma leitura crítica destes, é igualmente necessário que eles sejam vocalizados. Por fim, através do percurso teórico e crítico, acreditamos que, transposta para a escrita, a voz poética de Stela do Patrocínio (2001) segue pulsando no leitor, em uma dinâmica em que a tensão se altera, mas a produção de presença permanece.

Biografia do Autor

Marianna Ilgenfritz Daudt, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Estudos de Literatura / Teoria, Crítica e Comparatismo Literário. Bolsista CAPES. Mestra em Letras - Teoria, Crítica e Comparatismo Literário pela UFRGS. Formada em Letras - Bacharelado português/alemão pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Fernanda Vivacqua, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Letras, pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na área de concentração: Estudos literários, e linha de pesquisa: Teoria, crítica e comparatismo (2019-). Mestra em Letras – Estudos literários, pelo Programa de Pós-graduação em Letras – Estudos literários da Universidade Federal de Juiz de Fora (2017-2019), universidade onde se graduou em Letras – Língua Portuguesa e suas respectivas literaturas (2012-2016).

Referências

AQUINO, Ricardo. Estrela. In: DO PATROCÍNIO, Stela. Reino dos bichos e dos animais é meu nome. Organização de Viviane Mosé. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001, p. 13-17.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p. 57-64.

DO PATROCÍNIO, Stela. Reino dos bichos e dos animais é meu nome. Organização de Viviane Mosé. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução e organização de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Trad. de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Trad. de Antônio Fernando Cascais e Eduardo Cordeiro. In: QUEIROZ, Sônia (Org.). O que é um autor?, de Michel Foucault. Duas traduções para o português. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011, p. 51-82.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2010.

MOSÉ, Viviane. Apresentação. In: DO PATROCÍNIO, Stela. Reino dos bichos e dos animais é meu nome. Organização de Viviane Mosé. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001, p. 19-43.

NODARI, Alexandre. Tradizer. In: FLORES, Guilherme Gontijo; GONÇALVES, Rodrigo Tadeu. Algo infiel. Corpo, performance, tradução. Desterro: Cultura e Barbárie, 2017, p. 13-16.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório – Performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Downloads

Publicado

2020-10-06

Como Citar

DAUDT, M. I.; VIVACQUA, F. A persistência da voz poética em Stela do Patrocínio: entre a oralidade e a escrita. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 28-46, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n2p28. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n2p28. Acesso em: 23 nov. 2020.

Edição

Seção

Dossiê "Poéticas da Voz"