Caminhos e desafios do rap brasileiro contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2020v25n2p65

Palavras-chave:

Rap brasileiro, Periferia, Djonga, Racionais MC's

Resumo

Um dos aspectos mais radicais do rap brasileiro ao longo de sua trajetória foi a crescente regulação de sua dimensão estética por um conjunto de parâmetros éticos fundamentais construídos coletivamente junto à comunidade periférica. Em termos objetivos, isso significa que a qualidade ou o sucesso do gênero no interior do mercado musical não poderia ser avaliado apenas esteticamente. Em seus momentos de maior radicalidade o rap não pretendia ser interpretado apenas enquanto música, mas como o partilhar de formas de sabedoria popular e coletiva integrada à vivência dos sujeitos periféricos, com o objetivo declarado de salvar vidas. Entretanto, à medida que o movimento hip hop vai se fortalecendo profissionalmente, sem que se resolva a desigualdade social de base que lhe deu origem, o rap passa a ser compreendido mais imediatamente enquanto pura forma estética, dotando a dimensão ética de um inequívoco caráter performático. Ou melhor, fazendo da própria política uma questão estética, mais ligada ao universo hip hop do que à comunidade periférica originária, da qual se separou.

Biografia do Autor

Acauam Silvério de Oliveira, Universidade de Pernambuco

Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (2004), tendo defendido o mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada, sobre a obra de Murilo Rubião, também pela USP (2008). Doutor em Literatura Brasileira, pelo departamento de Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo, com pesquisa voltada para o campo da canção popular brasileira.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer. O poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte, UFMG, 2004.

BROWN, Mano. Hoje a luta das pessoas é individual. Não vejo mais a luta de classes. GauchaZH, fev. 2018.

BROWN, Mano. Entrevista concedida à revista Showbizz, n. 155, jun. 1998.

D’ANDREA, Tiarajú Pablo. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

DJONGA. Heresia. Ceia Ent., 2017.

DJONGA. O menino que queria ser Deus. Ceia Ent., 2018.

DJONGA. Ladrão. Ceia Ent., 2019.

FACÇÃO CENTRAL. A marcha fúnebre prossegue. Sky Blue, 2001.

FELIX, João Batista de Jesus. Hip Hop: cultura e política no contexto paulistano. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidad de São Paulo, São Paulo, 2006.

HANSEN, Luana. Luana Hansen. In. ALLUCCI, Renata R. Mulheres de palavra: um retrato das mulheres no rap de São Paulo. São Paulo: Allucci & Associados, 2016, p. 29-31.

RACIONAIS, MCs. Sobrevivendo no inferno. Cosa Nostra, 1997.

RARA, Preta. Preta Rara. In. ALLUCCI, Renata R. Mulheres de palavra: um retrato das mulheres no rap de São Paulo. São Paulo: Allucci & Associados, 2016, p. 41-43.

SABOTAGE. Rap é compromisso. Cosa Nostra, 2000.

TEPERMAN, Ricardo. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-06

Como Citar

OLIVEIRA, A. S. de. Caminhos e desafios do rap brasileiro contemporâneo. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 65-77, 2020. DOI: 10.5007/2175-7917.2020v25n2p65. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/2175-7917.2020v25n2p65. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Dossiê "Poéticas da Voz"