Ficção a trois: erotismo, mercado e valor em trilogias eróticas de autoria feminina

Luciana Borges

Resumo


O presente trabalho aborda duas trilogias de ficção erótica de autoria feminina considerando a relação entre literatura, valor de mercado e circulação de capital erótico. Fifty Shades Trilogy (Cinquenta tons de cinza), da inglesa E L James, lançada em 2012 no Brasil e a Trilogia Obscena, da brasileira Hilda Hilst, lançada na década de 1990, compõem-se de modo que pode ser considerado diametralmente oposto quanto a suas estratégias de composição formal, construção temática do erotismo e limites transgressivos da pornografia. Se na primeira encontra-se o tom folhetinesco das obras comerciais, na segunda, o sentido da densidade própria do texto literário transita pelos limites da não fabulação, posto que a narratividade é decomposta por mecanismos reflexivos que remetem a uma crítica do campo literário. A reflexão proposta parte da relação com a conformidade ou desconformidade em termos do instituído ao gênero ficcional literatura erótica e ao campo do pornô em geral, às investiduras de gênero que constroem o masculino como ativo e o feminino como passivo e à lógica do mercado editorial em torno do que constitui um best seller e sua circulação no meio leitor.


Palavras-chave


Erotismo; Pornografia; Autoria Feminina; Gênero; Trilogias

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18nesp1p193

Direitos autorais 2013 Luciana Borges

Rev. Anu. Lit. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil. ISSNe 2175-7917

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.