Literatura e transgressão: Sade, Masoch e Bataille

Autores

  • Renata Lopes Pedro

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Resumo

Este artigo tem o intuito de relacionar Literatura e Transgressão,analisando três dos escritores considerados “libertinos”: Sade, Masoch e Bataille. Os romances de Sade são romances eróticos, escritos para saciar sua excitação sexual furiosa e comunicá-la eventualmente a outro. Sade nos apresenta seus heróis a título de exemplos, mais é preciso notar que ele os qualifica sempre de celerados, patifes, monstros. As sinistras orgias de Sade são pesadelos, por isso o imaginável pode ser admirado, por causa de sua intensidade de expressão, enquanto o realizável correspondente seria reprovado. Entretanto, tendência a tratar das sevícias sexuais, pretendendo que tanto os pacientes quanto os agentes sentissem uma satisfação especial nelas, tomou um sentido inteiramente novo com Leopold de Sacher-Masoch, um homem enigmático que só conseguia realizar o ato sexual com a condição de ser açoitado e humilhado pela mulher que ele desejava. Bataille é o autor que apresenta um sentido negro do erótico, de seus perigos de fascinação e humilhação. Em sua obra, História do Olho, ocorre um violento processo de despersonalização, os traços que distinguem o rosto apaga-se restando apenas os órgãos entregues à convulsão interna da carne, operando num corpo que prescinde da mediação do espírito. Nesta obra,o tema da pornografia não é o sexo, mas sim a morte.

Biografia do Autor

Renata Lopes Pedro

possui graduação em Letras- Habilitação Português e Francês pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina. "Currículo Lattes

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq."

Downloads

Publicado

2007-07-30

Como Citar

PEDRO, . L. Literatura e transgressão: Sade, Masoch e Bataille. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 12, n. 12, p. 51–58, 2007. DOI: 10.5007/%x. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/5448. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Umbral