O Ilá das Iyabás em Alma da África: anciãs e deusas de Antonio Olinto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2021.e75639

Palavras-chave:

Alma da África, Antônio Olinto, Iyabás, Matriarcado, Anciãs

Resumo

Nesse artigo, buscaremos refletir sobre a relação que se estabelece entre as representações da mulher idosa e as deusas da mitologia orixaísta, as iyabás, na trilogia Alma da África (2007) de Antonio Olinto, estabelecendo, principalmente, um olhar sobre a importância dessas anciãs na organização de famílias matrifocais. Buscaremos mostrar que a estrutura familiar matrifocal, fundamental na sociedade tribal africana, reaparece, tanto na sociedade brasileira – notadamente dentre as mulheres afrodescendentes, quanto na sociedade do período de descolonização africana. Em  A Casa da Água (2007), primeiro tomo da trilogia Alma da África, lançado em 1967, estudaremos a desterritorialização e a reterritorialização de duas personagens, Catarina – que recupera, posteriormente, seu verdadeiro nome, Ainá – e Epifânia. Em O Rei de Keto (2007), lançado originalmente em 1980, resgataremos a busca da velha comerciante Aduké pela educação de sua filha, Ainá, dentro dos valores tribais, enquanto sua sucessora no matriarcado. Finalmente, em Trono de Vidro (2007), lançado pela comemoração do centenário da abolição da escravatura, em 1987, encontraremos Mariana, que aparecera, na infância e fase adulta, em A Casa da Água (2007), mostrando sua força nos âmbitos sociais, políticos e econômicos, nas vésperas de completar, ela própria, seu centenário, auxiliando a neta, Mariana Ilufemi, na redemocratização do fictício país de Zorei. A partir de teóricos como Beauvoir, Elias, Bordieu, Davis e Meletínski,  este estudo tenta reconhecer a influência da mítica orixaísta, na figura de suas deusas ancestrais, na consolidação de um matriarcado tribal.

Biografia do Autor

José Ricardo da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Estudos de Literatura, em Pós-Colonialismo e Identidades, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Estudos de Literatura, em Literaturas Portuguesa e Luso-Africanas, (UFRGS/2016). Especialista em Linguagem e Docência (UNIPAMPA/2014). Graduado em Letras, Português, Inglês e Respectivas Literaturas (UNIPAMPA/2014).

Referências

BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. Trad. de Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BEAUVOIR, Simone de. A velhice – a realidade incomoda. Trad. de Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BORDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Trad. de Jeni Vaitsman. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

COSTA, José Ricardo da. Opaxorô, o cetro dos ancestrais: mimese e mito na representação de mundo afro-gaúcha. 2016. 167 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

DANTAS, Carolina Vianna. Mobilização negra nas primeiras décadas republicanas. In: DANTAS, Caroline Vianna; MATTOS, Hebe e ABREU, Martha (Orgs.). O negro no Brasil: Trajetórias e lutas em dez aulas de história. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012, p. 13-22.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. Trad. de Heci Regina Candiani. Rio de Janeiro: Boitempo Editorial, 2016.

DURKHEIM, Émile. A evolução pedagógica. Trad. de Celso do Prado. Porto Alegre: Artes Médicas,1995.

ELIADE, Mircea. Mito do eterno retorno. Trad. de José A. Ceschin. São Paulo: Mercuryo, 1992.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. Trad. de Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos. Trad. de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2001.

MCCLINTOCK, Anne. The Angel of Progress: Pitfalls of the term ‘postcolonial’. In: CHRISMAN, L.; WILLIAMS, P. (Org.). Colonial discourse and postcolonial theory: a reader. London: Harvester, 1994. p. 84-98.

MELETÍNSKI, E. M. Os arquétipos literários. Trad. de Aurora Fornoni et al. 2. ed., Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2015.

OLINTO, Antonio. A verdade da ficção: crítica de romance. Rio de Janeiro: Editora Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1966.

OLINTO, Antonio. A casa da água. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007a. (Trilogia Alma da África, 1).

OLINTO, Antonio. O Rei de Keto. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007b. (Trilogia Alma da África, 2.)

OLINTO, Antonio. Trono de Vidro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007c. (Trilogia Alma da África, 3.)

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PRANDI, Reginaldo. Segredos Guardados: Orixás na alma brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. de Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1997. t. 3.

SOYINKA, Wole. Death and the King’s Horseman. In: GIKANDI, S. (Ed.) Death and the King’s Horseman – A Norton Critical Edition. New York; London: W. W. Norton and Company. 2003. p. VII-XXIV.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

VERGER, Pierre. Grandeza e decadência do culto de Ìyàmì Òsòròngá (Minha Mãe Feiticeira) entre os Yorùbá. In: MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de (Org.). As Senhoras do Pássaro da Noite: Escritos sobre a Religião dos Orixás. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Axis Mundi, 1994, p. 13-72.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

COSTA, J. R. da. O Ilá das Iyabás em Alma da África: anciãs e deusas de Antonio Olinto. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 26, p. 01-21, 2021. DOI: 10.5007/2175-7917.2021.e75639. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/75639. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Representações da velhice na literatura e outras artes