Os caminhos de Manarairema: mediação editorial e recepção de José J. Veiga

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2022.e85277

Palavras-chave:

José J. Veiga, Civilização Brasileira, Recepção, Recepção crítica

Resumo

O presente artigo busca analisar a recepção crítica de duas narrativas de José J. Veiga: o conto “A Usina Atrás do Morro”, presente no livro Os Cavalinhos de Platiplanto (1959), e o primeiro romance do escritor, A Hora dos Ruminantes (1966). Ainda que com temáticas semelhantes e publicados em espaços de tempo relativamente próximos, esses escritos recebem leituras marcadamente diversas: enquanto associa-se o primeiro ao “absurdo” e ao “fantástico” de matrizes kafkianas, toma-se o segundo, majoritariamente como uma alegoria política. Com o objetivo de examinar diferentes matizes de tais interpretações divergentes, mobilizam-se dados relativos ao contexto histórico e editorial de ambos os textos, tomando-se como referência, sobretudo, trabalhos de Chartier e Hallewell. Em linhas gerais, os dois pesquisadores corroboram e municiam, cada um à sua maneira, uma perspectiva articulada de estudo da literatura que, para além de investigar elementos intrínsecos às obras, busca compreender os processos que permeiam a composição, circulação e recepção destas enquanto livros.

Biografia do Autor

Rafael Vinicius Costa Corrêa, Universidade de São Paulo

Mestrando em Estudos Comparados em Literaturas de Língua Portuguesa. Possui graduação em Letras - Português e Inglês pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2019). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, literatura fantástica, recepção crítica, absurdo e José J. Veiga.

Thiago Mio Salla, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (2003). Em março de 2010, concluiu o Doutorado Direto na mesma instituição, sob orientação de Ivan Prado Teixeira. Em 2016, terminou seu segundo Doutorado Direto, agora da FFLCH/USP sob a orientação de Paulo Fernando da Motta de Oliveira.

Referências

“A HORA dos Ruminantes”. Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, 07 abril 1967. Cultura JS, p. 1.

BORGES, Miguel. “Capa e contracapa”. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 25 jan. 1967. Segundo caderno, p. 3.

BRASIL, Assis. “Outros contos de Platiplanto”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 19 maio 1968. 4° Caderno, p. 1.

BRASIL. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014.

CASTELLO, José. “José J Veiga trabalha nos limites da fantasia” (Entrevista). O Estado de S. Paulo, 4 out. 1997.

CHAMMAS, Eduardo Zayat. A ditadura militar e a grande imprensa: os editoriais do Jornal do Brasil e do Correio da Manhã entre 1964 e 1968. Dissertação de mestrado. São Paulo: Edusp, 2012.

CHARTIER, Roger. Os Desafios da Escrita. Trad. Fúlvia M. L. Moretto. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

CHARTIER, Roger. Inscrever e Apagar: Cultura Escrita e Literatura, Séculos XI-XVIII. Trad. de Luzmara Curcino Ferreira. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

CONDE, José. “Escritores e livros”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 09 jul. 1959, p. 16.

DANTAS, Gregório Foganholi. O insólito na ficção de José. J. Veiga. Dissertação de Mestrado. Campinas: DTL-IEL-Unicamp, 2002.

ENEIDA. “Cavalinhos de Platiplanto”. Diário de Notícias, Brasília, 13 dez. 1959. Suplemento Literário, p. 2.

HALLEWELL, Laurence. O Livro no Brasil: Sua História. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2017.

HANSEN, João Adolfo. Alegoria – Construção e Interpretação da Metáfora. São Paulo: Hedra; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de Retórica Literária. 6. ed. Trad. R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2011.

MCKENZIE, Donald Francis. Bibliografia e a Sociologia dos Textos. São Paulo: Edusp, 2018.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. “Sobre as origens e motivações do Ato Institucional 5”. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 38, n. 79, p. 195-216, 2018.

PINTO, Rossini. “Parques e Jardins”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 19 set. 1959. 6º Caderno, p. 9.

PONTUAL, Roberto. “Platiplanto: Sintaxe Brasileira (I)”. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 31 jan. 1960a. Metropolitano, p. 4.

PONTUAL, Roberto. “Platiplanto: Sintaxe Brasileira (II)”. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 7 fev. 1960b. Metropolitano, p. 4.

PONTUAL, Roberto. “Platiplanto: Sintaxe Brasileira (III)”. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 14 fev. 1960c. Metropolitano, p. 4.

SANTIAGO, Silvano. Prefácio. In: VEIGA, J. J. Os Cavalinhos de Platiplanto. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

“SEGUNDA SEÇÃO”. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, p. 3.

VEIGA, José Jacinto. Os Cavalinhos de Platiplanto. Rio de Janeiro: Nítida, 1959.

VEIGA, José Jacinto. Os Cavalinhos de Platiplanto. 2. ed. Rio de Janeiro: JCM, 1969.

VEIGA, José Jacinto. Os Cavalinhos de Platiplanto. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

VEIGA, José Jacinto. A Máquina Extraviada. Rio de Janeiro: Prelo, 1968.

VEIGA, José Jacinto. A Hora dos Ruminantes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

VEIGA, José Jacinto. A Hora dos Ruminantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

VEIGA, José Jacinto. Os Cavalinhos de Platiplanto. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

VEIGA, José Jacinto. Contos Reunidos. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

Downloads

Publicado

2022-11-10

Como Citar

COSTA CORRÊA, Rafael Vinicius; SALLA, Thiago Mio. Os caminhos de Manarairema: mediação editorial e recepção de José J. Veiga. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 27, p. 01–18, 2022. DOI: 10.5007/2175-7917.2022.e85277. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/85277. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos