Uma mulher é uma terceira margem: o corpo, as águas, o sangue e tudo o que (não) é fluido em A mulher submersa, de Mar Becker

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2022.e89590

Palavras-chave:

literatura brasileira contemporânea, poesia, corpo, feminino

Resumo

Os silêncios sobre o corpo feminino podem ganhar lugar na poesia. Nela, os fluídos dizem sobre aquilo que escapa ao/do corpo: o sangue, o sêmen, o suor, o choro. Se a poesia é uma forma de se aproximar do indizível do corpo (PRIGENT, 2017), então, através das imagens que a letra coloca no papel proponho uma leitura psicanalítica de alguns poemas do livro A mulher submersa, de Mar Becker. No livro, dividido em quatorze cadernos, o corpo feminino se desenha a partir do que dele sai, do que se perde e do que escorre. Mulheres, vivas ou mortas, são evocadas de diversos modos. Algumas questões, assim, guiam este artigo: De que modo podemos pensar o corpo feminino a partir da poesia? O que a poesia diz sobre o corpo feminino? E sobre o feminino? A análise se dá, principalmente, a partir de pressupostos de Freud e de Lacan, mas também em diálogo com outras produções contemporâneas, artísticas e teóricas.

Biografia do Autor

Mariana Vogt Michaelsen, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada bacharel em Psicologia, mestra em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutoranda em Literatura pela UFSC.

Referências

BASSOLS, Miquel. Isak Dinensen, a feminilidade e a letra. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 185-200.

BASSOLS, Miquel. O feminino, entre centro e ausência. Opção Lacaniana, São Paulo, n. 23, p. 2-15, 2017.

BECKER, Mar; VAZ, Wladimir. A mulher submersa. Bragança Paulista: editora urutau, 2020.

BERNARDES, Angela C. A carta fechada. Opção Lacaniana, São Paulo, n. 9, p. 1-3, 2012.

BROUSSE, Marie-Hélène. Uma dificuldade na análise das mulheres: a devastação da relação com a mãe. Latusa: Revista da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP-Rio), Rio de Janeiro, v. 9, p. 203-218, 2004.

BROUSSE, Marie-Hélène. Mulheres e discursos. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2019.

CAMALY, Gabriela. Novas anotações sobre a feminização do mundo e a posição feminina. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 268-275.

CORSO, Diana Lichtenstein; CORSO, Mário. Um monstro no ninho. In: CORSO, Diana Lichtenstein; CORSO, Mário. A psicanálise na terra do nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011. p. 29-56.

COSTA, Ana. Litorais da psicanálise. Psicologia & Sociedade, v. 21, p. 26-30, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/psoc/v21nspe/v21nspea05.pdf. Acesso em: 12 mai. 2021.

FAY, Penélope. Demônios e maravilhas da feminilidade. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 185-200.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

Flávia Péret e uma mulher – estratégias narrativas, 2017. Publicado pelo canal Estratégias Narrativas. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5-rr5LqD9Sg&ab_channel=EstrategiasNarrativas. Acesso em: 30 mai. 2021.

FREUD, Sigmund. Inibição, sintoma e angústia. In: FREUD, Sigmund. Obras completas, volume 17: Inibição, sintoma e angústia, O futuro de uma ilusão e outros textos (1926-1929). São Paulo: Companhia das Letras, 2014. p.13-123.

FUENTES, Maria Josefina Sota. O feminino e o infamiliar. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 49-56.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 237-256.

HOMEM, Maria Lucia. No limiar do silêncio e da letra: traços de autoria em Clarice Lispector. São Paulo: Boitempo: Edusp, 2012.

KEHL, Maria Rita. A mínima diferença. In: KEHL, Maria Rita. A mínima diferença: masculino e feminino na cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 21-28.

KEHL, Maria Rita. O que um homem quer saber? In: KEHL, Maria Rita. A mínima diferença: masculino e feminino na cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 73-77.

LACAN, Jacques. Seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

LACAN, Jacques. Seminário, livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LACAN, Jacques. Lituraterra. In: LACAN, Jacques. Outros escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 2003. p.15-28.

LAIA, Sergio. A generalização do infamiliar e as particularidades do feminino. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 115-133.

LAURENT, Éric. De la angustia a la mujer. In: LAURENT, Éric. Cuerpos que buscan escrituras. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Paidós, 2014, p. 129-143.

LAURENT, Éric. O trauma ao avesso. Papéis de psicanálise, v. 1, n. 1, 2004.

MARQUES, Ana Martins. O livro das semelhanças. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MILLER, Jacques-Alain. O inconsciente e o corpo falante. In: MILLER, Jacques-Alain. O osso de uma análise. Rio de Janeiro: Zahar, 2015. p. 115-137.

MILLER, Dominique. As duas margens da feminilidade. In: ANTELO, Marcela; GURGEL, Iordan (org.). O feminino infamiliar: dizer o indizível. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise, 2021, p. 251-261.

PÉRET, Flávia Helena Santos. Uma mulher. Belo Horizonte: Estúdio Guayabo, v. 200, 2017.

PRIGENT, Christian. Para que poetas ainda?. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2017.

ROSA, Guimarães. A terceira margem do rio. In: ROSA, Guimarães. Ficção completa: volume III. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, p. 409-413.

VIEIRA, Marcus André; BARROS, Romildo do Rêgo. Mães. Rio de Janeiro: Subversos, 2015.

VIEIRA, Marcus André. Mulher: figura impossível (ou “No litoral”). Opção Lacaniana, São Paulo, n. 65, p. 69-72, 2013. Disponível em: http://www.litura.com.br/artigo_repositorio/no_litoral_pdf_1.pdf. Acesso em: 3 mai. 2021.

Downloads

Publicado

2022-11-01

Como Citar

MICHAELSEN, Mariana Vogt. Uma mulher é uma terceira margem: o corpo, as águas, o sangue e tudo o que (não) é fluido em A mulher submersa, de Mar Becker. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 27, p. 01–19, 2022. DOI: 10.5007/2175-7917.2022.e89590. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/89590. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)