Poderão os bichos falar? A biologia do linguajear em “Conversa de Bois", de Guimarães Rosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e92604

Palavras-chave:

Zooliteratura, Subjetividade animal, Linguagem animal, Biologia do conhecer, Guimarães Rosa

Resumo

Haveria linguagem possível entre o homem e o animal? Podem as espécies conversar? O presente ensaio visa contribuir aos estudos da linguagem animal e da zooliteratura. Vamos examinar como Guimarães Rosa, no conto “Conversa de Bois” do livro Sagarana, apresenta a questão da linguagem interespécie. Vamos propor uma análise interdisciplinar da obra à luz dos recentes avanços científicos nos campos da linguagem e subjetividade animal– com destaque para a teoria da linguagem pragmática de Vinciane Despret, as comunidades híbridas de Dominique Lestel, e a biologia do conhecer, de Humberto Maturana. Nossa hipótese é de que Rosa, consoante a esses pesquisadores, considera o amor como fundamento tanto da linguagem humana quanto de um devir-linguajear – com potencial revolucionário – entre animais e homens.

Biografia do Autor

Victor Hermann, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Literatura, Outras Artes e Mídias pela Universidade Federal de Minas Gerais (2020). Possui graduação em Artes Visuais pela Universidade Federal de Minas Gerais (2010) e mestrado em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Atua principalmente nas seguintes áreas: Estudos do Antropoceno; Catástrofe; Teoria da Literatura; Arte Contemporânea; Estética na Era Digital; Literatura e Filosofia.

Referências

BARTHES, Roland. Mitologias. Trad. de Rita Buongermino e Pedro de Souza. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: Obras escolhidas de Walter Benjamin. Trad. de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994, p. 197-221.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia Trad. de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 3.

DELIGNY, Fernand. O Aracniano e Outros Textos. Trad. de Lara de Malimpensa. São Paulo: N-1 Editora, 2015.

DESPRET, Vinciane. The Becomings of subjectivity in Animal Worlds. Subjectivity, v. 23, Palgrave McMilan, p. 123-139, 2008.

HEARNE, Vicki. Animal Happiness. New York: Harper Collins, 1994.

LESTEL, Dominique. A animalidade, o humano e as ‘Comunidades Híbridas’. In: MACIEL, Maria Esther (org.). Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011, p. 23-54.

MACIEL, Maria Esther (org.). Pensar/escrever o animal: ensaios de zoopoética e biopolítica. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

MACIEL, Maria Esther. Literatura e Subjetividade Animal. Revista Dobra, n. 7, p. 1-11, 2021.

MATURANA, Humberto. “A ontologia do conversar”. Revista Terapia Psicológica, ano VII, n. 10, p. 1-14, 1988.

PEPPERBERG, Irene. Alex e eu. Trad. de Márcia Frazão. Rio de Janeiro: Editora Record, 2009.

ROSA, Guimarães. Conversa de Bois. In: ROSA, Guimarães. Sagarana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. p. 325-362.

ROSA, Guimarães. Zoo. In: ROSA, Guimarães. Ave, Palavra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. p. 178-181.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas Canibais. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. de José Carlos Bruni. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

Downloads

Publicado

2023-07-04

Como Citar

HERMANN, Victor. Poderão os bichos falar? A biologia do linguajear em “Conversa de Bois", de Guimarães Rosa. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–15, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e92604. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/92604. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos