Deusas, santas e o pentagrama mágico em A lenda do cavaleiro verde (2021)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e93053

Palavras-chave:

Feminismo, Literatura Arturiana, Literatura Medieval, Sobrenatural

Resumo

O poema medieval Sir Gawain e o Cavaleiro Verde teve sua adaptação cinematográfica intitulada A Lenda do Cavaleiro Verde lançada em 2021 com direção de David Lowery com Dev Patel no papel de Gawain. Tanto o poema quanto o filme apresentam uma quantidade significativa de personagens femininas que possuem algum contato com o sobrenatural e que agem como guias e mediadoras de testes na jornada de Gawain. Este trabalho pretende abordar como estas personagens femininas foram adaptadas para o longa-metragem pensando em como a conjunção com magia e o simbolismo do pentagrama foi utilizado de maneira a relacionar tais personagens como arquitetas da aventura e consequentemente como representações divinas de lendas pagãs que foram sincretizadas com o universo religioso cristão. O trabalho também foca em referências da literatura medieval para adaptações para o cinema moderno discutindo como dada a dificuldade em adequar personagens complexas como Morgana le Fay e símbolos como o pentagrama, o diretor utilizou representações estratégicas para que audiências modernas tivessem uma melhor compreensão da aventura do cavaleiro de Arthur. O estudo é baseado em análises de feminismo e literatura arturiana como expressado por Larissa Tracy e Geraldine Heng; de textos críticos acerca de adaptações arturianas como o de Maureen Fries, além de autores especializados no poema original como J. A. Burrow e utiliza a tradução mais recente em língua portuguesa do poema medieval feito por Artur Avelar em 2020.

Biografia do Autor

Gabriela Carlos Luz, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

Doutoranda e mestra em Estudos Literários pela UNESP – FCL-Ar. Graduada em Letras (Bacharelado/Licenciatura) com ênfase em Língua Inglesa pela mesma instituição. Realiza pesquisas na área de Literatura focando-se principalmente no período medieval e em tópicos como o Sobrenatural, Feminismo e o Feminino Monstruoso. Parte dos grupos de pesquisa (CNPq) “Vertentes do Fantástico na Literatura” e “Nós do Insólito: vertentes da ficção, da teoria e da crítica”.

Referências

A LENDA DO CAVALEIRO VERDE. Direção: David Lowery. Produção: A24. GooglePlay. 2019. 130 minutos.

SIR GAWAIN E O CAVALEIRO VERDE. Trad. de Artur Avelar. Belo Horizonte: Barbudânia, 2020.

BURROW, John Antony. A reading of Sir Gawain and the Green Knight. London: Routledge, 2020.

FRIEDMAN, Albert Barron. Morgan Le Fay in Sir Gawain and the Green Knight. Speculum, University of Chicago Press, v. 35, n. 2, p. 260-274, 1960.

FRIES, Maureen. How to Handle a Woman, or Morgan at the Movies. In: HARTY, Kevin J. (Ed.). King Arthur on Film: New Essays on Arthurian Cinema. Jefferson: McFarland, 1999, p. 67-80.

HEBERT, Jill. Morgan Le Fay, Shapeshifter. New York: Palgrave Macmillan. 2013.

HENG, Geraldine. Feminine knots and the Other Sir Gawain and the Green Knight. PMLA, Modern Language Association, v. 106, n. 3, p. 500-514, 1991.

LOWERY, David. The Green Knight’s Ending, Explained. Entrevista concedida a Joanna Robinson. Vanity Fair, 30 jul. 2021. Disponível em: https://www.vanityfair.com/hollywood/2021/07/green-knight-ending-explained-does-he-die-gawain-dev-patel. Acesso em: 10 dez. 2022.

MORGAN, Gerald. The Significance of the Pentangle Symbolism in “Sir Gawain and the Green Knight”. The Modern Language Review, v. 74, n. 4, p. 769-790, 1979.

TRACY, Larissa. A Knight of God or the Goddess?: Rethinking Religious Syncretism in “Sir Gawain and the Green Knight”. Arthuriana, v. 17, n. 3, p. 31-55, 2007.

WARNER, Marina. Alone of All her sex. The Myth and the Cult of the Virgin Mary. Oxford: Oxford University Press, 2013.

Downloads

Publicado

2023-07-04

Como Citar

LUZ, Gabriela Carlos. Deusas, santas e o pentagrama mágico em A lenda do cavaleiro verde (2021). Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–20, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e93053. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/93053. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos