A escrita e a oralidade em estudos críticos sobre as literaturas africanas de língua portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e93057

Palavras-chave:

Oralidade, Escrita, Literaturas africanas de língua portuguesa, Crítica literária

Resumo

A abordagem da relação entre escrita e oralidade em vários estudos acadêmicos sobre as literaturas africanas de língua portuguesa produzidos no país nos mostrou a constância de algumas noções conceituais que, parece-nos, articulam essa relação reiterando uma perspectiva disjuntiva. Esses estudos se organizam a partir de ideias e noções conceituais que reiteram a hierarquização de diferentes modos de representar, ancorados ainda em dicotomias como escrita e oralidade, tradicional e moderno, racionalidade e animismo, realismo e antifiguratividade, etc. Ao fazê-lo, circunscrevem a produção e a recepção das escritas literárias africanas a um enquadramento que modela e afirma sua dependência da literatura europeia, seja para confrontá-la com o discurso canônico ou para reiterar seus fundamentos. Com isso, a literatura europeia permanece ocupando um lugar central em torno do qual gravitam as escritas produzidas nos países africanos de língua portuguesa, já que se constroem como efeito de modos de ler estabelecidos de acordo com normas pré-estabelecidas, as quais funcionam como mecanismos de controle que, por serem exaustivamente repetidos, produzem e deslocam os termos por meio dos quais essas escritas poderiam, de fato, ampliar sua visibilidade. Em função disso, reflete-se, neste texto, sobre alguns questionamentos que envolvem a abordagem disjuntiva dos termos dessa relação, destacando que seu estudo nos aponta a necessidade de revisitar conceitos como os de oralidade, escrita, tradição, modernidade, dentre outros, a fim de tentar fazer avançar um pouco mais as reflexões acadêmicas que se realizam nesta área de estudos.

Biografia do Autor

Terezinha Taborda Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Professora do Programa de Pós-graduação em Letras da PUC Minas. Pesquisadora CNPq-Nível 2. Coordenadora do Grupo de Pesquisas “África e Brasil: repertórios literários e culturais” e do Projeto de Pesquisa “Escritas literárias africanas de língua portuguesa e textualidades orais: transcriações poéticas”, financiado pela Fapemig e pelo CNPq. Editora da Área de Literatura da Revista Scripta, do Centro de Estudos Luso-Afro-Brasileiros da PUC Minas.

Referências

ACHEBE, Chinua. The African Writer and the English Language. In: ACHEBE, Chinua. Morning yet on creation day. London: Heinemann, 1964, p. 55-62.

AGUESSY, H. Visões e percepções tradicionais. In: BALOGUN, O. Introdução à cultura africana. Trad. de Emanuel Godinho, Germiano Cascais Franco e Ana Mafalda Leite. Lisboa: Edições 70, 1977. p. 95-136.

APPIAH, Kwae Anthony. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. de Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BONVINI, Emilio. Textos orais e textura oral. In: QUEIROZ, Sônia. A tradição oral. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2006, p. 5-9.

CABAÇO, José Luis. Moçambique: identidade, colonialismo e libertação. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

CALAME-GRIAULE, Geneviève. Etnologia y linguaje. La palavra del Pueblo Dogon. Trad. de Sol Asor Castiel. Madrid: Editora Nacional; Cultura y Sociedad, 1982.

CHAVES, Rita. A formação do romance angolano. São Paulo: FFLCH-USP, 1999.

DERIVE, Jean. Oralidade, literarização e oralização da literatura. Trad. de Neide de Freitas e Raquel Chaves. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2010.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.

FINNEGAN, Ruth. Oral literature in Africa. Oxford: Oxford University Press, 1998.

FINNEGAN, Ruth. O significado da literatura em culturas orais. In: QUEIROZ, Sônia. A tradição oral. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2006, p. 64-104.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Literatura e oralidade africanas: mediações. Revista Mulemba, v. 14, n. 2, p. 12-34, jul-dez 2016.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; MOREIRA, Terezinha Taborda. Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, v. 16, p. 13-72, 2007.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Coord.). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. Trad. de Beatriz Turquetti et al. São Paulo: Ática; Paris: UNESCO, 1982, p. 181-218.

IRELE, Abiola. A literatura africana e a questão da língua. In: QUEIROZ, Sônia. A tradição oral. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2006, p. 25-41.

LEITE, Ana Mafalda. Oralidades e escritas nas literaturas africanas. Lisboa: Colibri, 1998.

LEITE, Ana Mafalda. Oralidades e escrita pós-coloniais. Estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

LEITE, Fábio Rubens da Rocha. Valores civilizatórios em sociedades negro-africanas. África: Revista do Centro de Estudos Africanos. São Paulo, v. 18-19, n. 1, p. 103-118, 1997. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/africa/article/view/74962. Acesso em 30 jan. 2021.

LEITE, Fábio Rubens da Rocha. A questão ancestral: África negra. São Paulo: Palas Athena: Casas das Áfricas, 2008.

MATA, Inocência. A alquimia da língua portuguesa nos portos da expansão em Moçambique, com Mia Couto. Revista Scripta, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 262-268, 1998a.

MATA, Inocência. Diálogo com as ilhas: sobre cultura e literatura de São Tomé e Príncipe. Lisboa: Colibri, 1998b.

MATA, Inocência. A crítica literária africana e a teoria pós-colonial: um modismo ou uma exigência? Revista Ipotesi, Juiz de Fora, v. 10, n. 1, n. 2, p. 33-44, jan./jun., jul./dez. 2006. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaipotesi/files/2010/02/A-cr%C3%ADtica-liter%C3%A1ria-africana.pdf.

MATA, Inocência. Literatura angolana: silêncios e falas de uma voz inquieta. Lisboa/Luanda: Editora Mar Além, 2001.

MATA, Inocência; GARCIA, Flávio. (Org.) Pós-colonial e pós-colonialismo: propriedades e apropriações de sentido. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

MATA, Inocência. Géneros narrativos nas literaturas africanas em português – entre a tradição africana e o “cânone ocidental”. Scripta, Belo Horizonte, v. 19, n. 37, p. 79-94, 2015.

MBEMBE, Achille. A crítica da razão negra. Trad. de Sebastião Nascimento. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MUDIMBE, Valentin-Yves. The invention of Africa. Gnosis, philosophy, and the order of knowledge. Oxford: James Currey Ltd, Indiana: Indiana University Press, 1988.

NUNES, Susana Dolores Machado. A milenar arte da oratura angolana e moçambicana. Porto: Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, 2009.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas: Papirus, 1998.

PADILHA, Laura Cavalcante. Novos pactos, outras ficções: ensaios sobre literaturas luso-afro-brasileiras. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

PADILHA, Laura. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. 2. ed. Niterói: EdUFF; Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2007.

PADILHA, Laura. O ensino e a crítica das literaturas africanas no Brasil: um caso de neocolonialidade e enfrentamento. Magistro, v. 1, n. 1, 2010. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.com.br/index.php/magistro/article/viewFile/1063/625. Acesso em: 12 nov. 2015.

PADILHA, Laura Cavalcante. Da construção identitária a uma trama de diferenças – Um olhar sobre as literaturas de língua portuguesa. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 73, p. 3-28, dez. 2005. Disponível em: http://journals.openedition.org/rccs/950; DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.950. Acesso em: 18 mar. 2021

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A literatura como mediação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC, 8., Anais [..]. Belo Horizonte: ABRALIC, 2002.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores na escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Trad. de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Trad. de Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2005.

RANCIERE, Jacques. O efeito de realidade e a política da ficção. Novos Estudos. – CEBRAP, n. 86, p. 75-80, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-33002010000100004. Acesso em 30 jan. 2021.

ROSÁRIO, Lourenço Joaquim da Costa. A narrativa africana de expressão oral (Transcrita em português). Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa; Angola: Angolê-Artes e Letras, 1989.

RUI, Manuel. Eu e o outro – o invasor (ou em três poucas linhas uma maneira de pensar o texto). In: MEDINA, Cremilda de Araújo. Sonha, Mamana África. São Paulo: Epopeia, 1987, p. 309.

RUI, Manuel. Da escrita à fala. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE TEORIA DA LITERATURA E LITERATURAS LUSÓFONAS, 1., Actas [...]. Coimbra: Almedina, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

SCHIPPER, Mineke. Literatura oral e oralidade escrita. In: QUEIROZ, Sônia. A tradição oral. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2006, p. 10-14.

SILVA, Rejane Vecchia da Rocha; SOUZA, Ubiratã Roberto Bueno. Literatura moçambicana e oralidade: uma postura crítica e uma fundamentação teórica. Scripta, Belo Horizonte, v. 19, n. 37, p. 95-117, 2015.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, Joseph (Coord.). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. Trad. de Beatriz Turquetti et al. São Paulo: Ática; Paris: UNESCO, 1982, p. 157-180.

WA THIONG’O, Ngũgĩ. Decolonising the mind. The politics of language in african literature. Nairobi: East African Educational Publishers Ltd., 2005.

WA THIONG’O, Ngũgĩ. Notes towards a Performance Theory of Orature. Performance Research, v. 12, n. 3, p. 4-7, set. 2007. Disponível em: https://web.archive.org/web/20160920000340/http://www.ohio.edu/people/hartleyg/ref/Ngugi_Orature.html. Acesso em: 30 mar. 2021.

WA THIONG’O, Ngũgĩ. Penpoints, Gunpoints, and Dreams: Toward a Critical Theory of the Arts and the State in Africa. Oxford: Clarendon Press, 1998.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a “literatura” medieval. Trad. de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Trad. de Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Hucitec, 1997.

Downloads

Publicado

2023-08-07

Como Citar

MOREIRA, Terezinha Taborda. A escrita e a oralidade em estudos críticos sobre as literaturas africanas de língua portuguesa. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–16, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e93057. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/93057. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos