Subalternidade e vozes de mulheres negras silenciadas: um estudo interseccional em Ezilda Milanez Barreto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7917.2023.e95400

Palavras-chave:

Personagens Femininas Afro-brasileiras, Silenciamento, Subalternidades, Decolonialidade

Resumo

A visibilização das contribuições dos sujeitos negros à cultura de nosso país é um território conquistado, tendo em vista que a narrativa histórica oficiosa, erigida pelos donos do poder (homens, brancos, cisheterossexuais, cristão, sem deficiência), procurou apagar a contribuição dos africanos e dos afrodescentes à cultura brasileira ou, na impossibilidade de tal apagamento, alocou-a em lugares de subalternização, como podemos ver em muitas das representações de personagens negros/as que circularam, em especial, na prosa oitocentista brasileira. Por isso, sob o olhar da Interseccionalidade, o presente estudo tem como objetivo analisar as personagens femininas negras, contextualizadas dentro do patriarcado brasileiro e relacionadas à decolonialidade de raça, na ficção da escritora paraibana Ezilda Milanez Barreto, mais especificamente nos romances E a luz brilhará nas trevas (1940), Nos arcanos do império (1981) e O meu mundo é assim (1983). Para fundamentar nossos posicionamentos sobre o conceito de subalternidade e vozes negras silenciadas, apoiamo-nos em Spivak (2014), Crenshaw (1989) e Akotirene (2019). Esperamos contribuir para os estudos interseccionais na literatura afro-brasileira de autoria feminina e para a reflexão acerca de problemáticas recorrentes na sociedade brasileira, como o racismo estrutural, as quais emergem da diegese das narrativas que constituem o nosso corpus de análise.

Biografia do Autor

Raimundo Mélo Neto Segundo, UEPB

Formado Letras, habilitação em Literatura, pela Faculdade da Região dos Lagos (FERLAGOS), Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela FERLAGOS e em Planejamento, Implementação e Gestão de Educação a Distância (PIGEAD), pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É mestre em Formação de Professores pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e doutorando do Curso do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade (PPGLI - UEPB).

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ARAÚJO, Ana Beatriz de Souza. Trabalho escravo contemporâneo: a invisibilidade seletiva das trabalhadoras domésticas e o caso paradigmático “madalena gordiano”. 2022. Monografia (Graduação em Direito) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2022.

BALISA, Fernanda Francisca; DAVID, Nismária Alves. A violência contra a mulher negra no conto “Maria”, de Conceição Evaristo. Litterata, Ilhéus, v. 7, n. 1, p. 72-82, jan./jun. 2017.

BARRETO, Ezilda Milanez. E a luz brilhará nas trevas. Areia: Livraria Santo Antônio, 1940.

BARRETO, Ezilda Milanez. À sombra da gameleira. Areia: 1961.

BARRETO, Ezilda Milanez. Nos arcanos do império. São Paulo: IBREX, 1981.

BARRETO, Ezilda Milanez. O meu mundo é assim. São Paulo: editora Soma. 1983.

BENTO, Berenice. Gênero: uma categoria útil de análise? Revista de História Comparada, n. 1, v. 16, p. 15-50, 2022. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/RevistaHistoriaComparada/article/View/48966. Acesso em: 11 mar. 2023.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade: a interseccionalidade para além da academia: a práxis crítica dos movimentos de mulheres. Trad. de Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2021.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Fórum, n. 1, p. 139-167, 1989. Disponível em: https://chicagounbound.uchicago.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1052&context=uclf. Acesso em: 12 jun. 2022.

DAHIA, Sandra Leal de Melo. A mediação do riso na expressão e consolidação do racismo no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, v. 23, n. 3, p. 697-720, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/4K46WkfCfTVQ8x9Fx6K3Cmn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 31 ago. 2023.

DEIAB, Rafaela de Andrade. A mãe-preta na literatura brasileira: a ambiguidade como construção social (1880-1950). 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia) ? Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

FRANÇA, Jean M. Carvalho. Imagens do negro na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1998.

NASCIMENTO, Letícia Carolina Pereira do. Transfeminismo. São Paulo: Jandaíra, 2021.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

RITT, Caroline Fockink. Uma análise necessária da mulher na sociedade brasileira e o reflexo na necessidade da representação da vítima para a punição do agressor da violência de gênero. Revista do Ministério Público do Rio Grande do Sul, n. 72, p. 79-114, maio 2012.

SALES, Ana Maria Coutinho. Ontem e hoje: mulheres romancistas no combate ao racismo. In: LIMA, Tania; NASCIMENTO, Izabel; OLIVEIRA, Andrey. Griots – culturas africanas: linguagem, memória, imaginário. Natal: Lucgraf, 2009, p. 19-29.

SILVEIRA, Ana Patrícia Frederico; FREITAS, Sávio Roberto Fonseca de. Nos arcanos do império, racismo e escrita de autoria feminina no romance de Ezilda Barreto. Interdisciplinar, São Cristóvão, UFS, v. 34, p. 101-118, jul-dez. 2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. de Sandra Regina Goulart, Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

Downloads

Publicado

2023-11-13

Como Citar

MÉLO NETO SEGUNDO, Raimundo; SILVA, Marcelo Medeiros da. Subalternidade e vozes de mulheres negras silenciadas: um estudo interseccional em Ezilda Milanez Barreto. Anuário de Literatura, [S. l.], v. 28, p. 01–20, 2023. DOI: 10.5007/2175-7917.2023.e95400. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/95400. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos