Não há sol que sempre dure

Maria Lúcia de Barros Camargo

Resumo


Há vinte anos, conceitos como pós-modernidade ou globalização ainda não freqüentavam os discursos críticos brasileiros, mas os sintomas da consolidação de uma sociedade de massas e de consumo e, especialmente, dos meios de comunicação, não se faziam esperar. Anos de perplexidade e medo, os 70 registraram, através de suas revistas, as incertezas diante de um quadro cultural, social, político e econômico em grande mutação, especialmente se considerarmos as contradições que tais mudanças produzem em países como os nossos, países subdesenvolvidos, para usar um termo em desuso.

Palavras-chave


Literatura; Periódicos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon