O Sol Laranja e Negro de João Cabral de Melo Neto

Luciana Tiscoski

Resumo


O poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto publica Sevilha andando em 1990, já aposentado da carreira diplomática que lhe possibilitou o contato com a cidade e o povo sevilhano, desde 1956, quando trabalha em pesquisas históricas no Arquivo das Índias de Sevilha. Após ter morado em cidades como Londres, Marselha e Barcelona, é transferido para a andaluza Cadiz, e novamente reside em Sevilha em 1962. Tendo ainda passado no decorrer de sua carreira diplomática por Berna, Senegal e Honduras, é a Andaluzia que se estabelece como lugar da linguagem poética e concreta, eleita Sevilha a cidade onde os elementos de sua poesia se realizam em lâmina, pedra, o sol laranja e negro, a mulher que anda. Sevilha andando e Andando Sevilha finalizam sua produção poética e reproduzem em serena e bruta semelhança o homem da terra que lhe remete ao sertanejo, a Pernambuco, a Recife.


Palavras-chave


João Cabral de Melo Neto;Linguagem; Tauromaquia; Bailaora

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2011nesp4p70

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon