A trapaça do Iauaretê

Leomir Silva de Carvalho, Sílvio Augusto de Oliveira Holanda

Resumo


Este artigo versa sobre a linguagem do conto “Meu tio o Iauaretê” (1961) de João Guima­rães Rosa em sua realização transgressora. Barthes (1978) identifica a linguagem ao poder afir­mando que nela as estruturas de opressão se reproduzem e se mantêm. O poeta, para o pensador francês, é um dos únicos sujeitos capazes de estabelecer uma relação criativa com a linguagem pas­sível de suspender sua fixidez, mesmo que por um breve momento, a esse ato Barthes chama de trapaça. Portanto, analisa-se no conto de Guimarães Rosa como o autor brasileiro “trapaceou” ao contar a estória de um matador de onças em “Meu tio o Iaua­retê”. Ao lado disso, traça-se um para­lelo entre a tradução criativa, como a compreende Ha­roldo de Campos no ensaio “A palavra verme­lha de Hoelderlin” (1977), e a fala do matador de onças, obser­vando como a linguagem deste en­cena ou faz-se metáfora da tradução criativa.


Palavras-chave


Meu tio o Iauaretê; Trapaça; Linguagem

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2014v14n21p128

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon