A fertilidade ancestral em "Ponciá Vivêncio"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2015v15n23p179

Palavras-chave:

Memória, Ancestralidade, Maternidade

Resumo

A literatura de Conceição Evaristo apresenta em seus personagens um resgate e uma espécie de reescritura dos registros históricos brasileiros, vivenciados principalmente pelo povo de pele negra. Portanto, uma literatura como tal extrapola os intuitos e lugares canônicos a serem destinados, pois se constitui como uma produção que age contrapondo o discurso de autoritarismo literário. Conceição Evaristo é uma autora que simboliza essa multiplicidade de experiências herdadas do nosso período escravagista e do nosso pós-colonialismo. Por isso, o objetivo deste trabalho é explorar as reflexões sobre a memória presente no romance Ponciá Vicêncio, assim como as questões da ancestralidade e como isso se configura na maternidade observada em duas personagens femininas: a protagonista Ponciá Vicêncio e a sábia Nêngua Kainda. Para tanto, utilizaremos as considerações de Verena Alberti (2004) referente à memória e à oralidade; e Reginaldo Prandi (2001) sobre a representação da mitologia dos orixás nesta narrativa.

 

 

Biografia do Autor

Ana Ximenes Gomes de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras, área de concentração Literatura e Cultura, da Universidade Federal da Paraíba.

Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne, Universidade Federal da Paraíba

Professora adjunta do Departamento de Letras Clássi­cas e Vernáculas da Universidade Federal da Paraíba.

Downloads

Publicado

2015-12-18