As potências do cinema

Autores

  • André Piazera Zacchi Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2015v15n24p113

Palavras-chave:

Cinema, Política, Rancière

Resumo

O cinema, segundo Jacques Rancière, é uma multiplicidade de conceitos que, sob o mesmo nome, permite estabelecer um espaço de pensamento. A distância entre um conceito e outro é o que separa, mas também o que propõe uma relação. Entre cinema e política há também distâncias, intervalos, desvios, abordados pelo autor em As distâncias do cinema (Les écarts du cinema). Walter Benjamin defendia certas potências progressivas do cinema, mas reconhecia seus usos fascistas. Jacques Rancière reencontra nas distâncias uma possibilidade, não do cinema em geral, mas de cada filme, ter ainda uma força política. Essa força, para ambos, está na tensão dialética da imagem, ou seja, na sua capacidade de suspensão de discursos, de juízos, de síntese.

Biografia do Autor

André Piazera Zacchi, Universidade Federal de Santa Catarina

É graduado em Direito (1998) e em Cinema (2012) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre e Doutorando em Literatura pela mesma Universidade, dissertação defendida em 2013 sob o título: O boneco de Alberto Cavalcanti.

Downloads

Publicado

2015-03-23