Origens da máquina itabirana: de Lucrécio a Newton

Iran Silveira

Resumo


Se buscarmos pelas origens da máquina do mundo como ideia, veremos que elas remontam até o século I a.C., passando por diversos momentos da História universal: na Ciência, Ptolomeu, Copérnico, Descartes, Newton, entre outros; na Literatura, Lucrécio, Dante, Camões, e Drummond, que publicou o poema “A Máquina do Mundo” pela primeira vez no livro Claro Enigma, de 1951. Enquanto Dante e Camões constroem a máquina do mundo como signo de descoberta e fascínio, e enquanto no italiano ela aparece a partir da autopurificação e para os portugueses como prêmio pelos feitos alcançados, em Drummond, o deparar-se com a fantástica explicação do todo o afastará do deslumbramento e do caráter de conquista de um bem supremo.


Palavras-chave


Máquina do mundo; Dante Alighieri; Carlos Drummond de Andrade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2017v17n28p98

Direitos autorais 2018 Iran Silveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon