Raul Antelo e a escritura órfica de Clarice Lispector

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2018v18n29p169

Palavras-chave:

Raúl Antelo, Clarice Lispector, Feminino

Resumo

O trabalho evidencia a estreita relação entre a noção de vazio e a temática do feminino teorizada pela psicanálise. Para tanto, aborda alguns textos de Clarice Lispector tendo como fio condutor as análises que o crítico literário Raúl Antelo faz de alguns de seus textos. Pretende-se evidenciar que, para Antelo, a obra de Clarice é uma escritura órfica, que salva seu objeto na medida em que renuncia a ele. Em Clarice, o texto é tomado como um fim em si mesmo, que surge a partir de uma potência criativa, uma posição subjetiva que ao invés de procurar suturar o vazio de sentido, busca tomá-lo como impulso para transfigurar o que na vida escapa ao sentido, celebrando uma ética de orientação trágica que a impele a criação de novos sentidos.

Biografia do Autor

Joana Souza, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Psicanalista. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Mestre em Clinica e Pesquisa em Psicanálise pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Downloads

Publicado

2018-09-05