Templos que são fantasmas: bandeira, ouro e megahype

Autores

  • Raúl Antelo Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-784X.2019v19n30p10

Palavras-chave:

Crise da experiência, Valor de mercadoria, Transformação do tempo histórico

Resumo

O capitalismo contemporâneo entendido como modernidade metropolitana marca uma virada nos escritos estéticos de Bandeira. Em algumas das crônicas dos anos 20, ele empreende uma pesquisa sobre a essência da tragédia cultural como jogo de contrastes entre os impulsos da verossimilhança apolínea e a verdade dionisíaca. Esse enfoque formal evoca os meios tecnológicos, bem como certas práticas vanguardistas vindas não apenas de Paris mas também da modernidade mexicana.

Biografia do Autor

Raúl Antelo, Universidade Federal de Santa Catarina

Emérito ensaísta e estudioso da literatura, das artes e das humanidades, é professor titular aposentado do DLLV do CCE-UFSC e até recentemente membro do colegiado pleno do PPG em Literatura da UFSC. Este ensaio insere-se no projeto “Caracterização do surrealismo” (FFI2016-75110-P).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: O poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002, p. 186.

AGAMBEN, Giorgio. II Regno e la Gloria. Per una genealogia teologica dell’economia e del governo. Torino: Bollati Boringhieri, 2009, p. 261-262. [Homo sacer, II, 2].

ANDRADE, Oswald de. O santeiro do mangue e outros poemas. São Paulo: Globo / Secretaria de Estado da Cultura, 1991, p. 95.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Poesias reunidas. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970, p. 155.

BANDEIRA, Manuel. Greta Garbo, o rapazola que queria ser pintor e novos indícios da existência de Deus. Para todos, Rio de Janeiro, p. 17, 29 set. 1928.

BANDEIRA, Manuel. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1974. p. 454-455.

BANDEIRA, Manuel. Crônicasinéditas I. São Paulo: Cosac Naify, 2008, p. 315-316.

BANDEIRA, Manuel. “Botaram abaixo a casa de Megahype”. A Província, Recife, 14 set. 1928, p. 3.

BANDEIRA, Manuel. “Devemos cuidar de Guararapes”. A Província, Recife, 7 nov. 1928.

BANDEIRA, Manuel. Um purista do estilo colonial [sobre José Mariano]. A Província, Recife, 4 nov. 1928, 2ª seção, p.1

BANDEIRA, Manuel. Salvemos a Madre Deus. A Província, Recife, 1 dez 1928.

BANDEIRA, Manuel. Brasil, patrimônio desconhecido”. A Província, Recife, 21 maio 1929.

BANDEIRA, Manuel. “Ouro Preto, monumento nacional”. O Estado de Minas, 20 jul.1933.

BANDEIRA, Manuel. Ascenso Ferreira. Para Todos, São Paulo, p. 28, 17 dez. 1927.

BANDEIRA, Manuel. “Xará, o batuta é você!”. A Província, Recife, 2 out. 1928

BANDEIRA, Manuel. “Minas Gerais no lápis de Manoel Bandeira”. A Província, Recife, 26 jan. 1929.

BANDEIRA, Manuel. A casa de Megahype. Para todos, Rio de Janeiro, n. 513, p. 27, 13 out.

BANDEIRA, Manuel. “A grande arquitetônica dos antigos mexicanos”. A Província, Recife, 18 ago. 1929, p. 3-4.

BLANQUI, Auguste. Critique Sociale, v. I : Capital et Travail, Paris, Alcan, p. 111, 1885.

BAPTISTA Jr. Uma enquête literária. A resposta do sr. Manuel Bandeira. Para todos, Rio de Janeiro, p. 21, 6 out.1928.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. 5. ed. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Brasiliense, 1995, p. 27-29.

CAMPOS, Haroldo de. A vida é fronteira do caos; o poema é constelação resgatada do acaso. Folha de S. Paulo, São Paulo, 9 jul. 1995.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’image survivante. Histoire de l’art et temps des fantômes selon Aby Warburg. Paris: Minuit, 2002; Idem, Connaissance par kaleidoscope. Morale du joujou et dialectique de l’image selon Walter Benjamin. Revue Études photographiques, Paris, n. 7, maio 2004.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Ante el tiempo. Historia del arte y anacronismo de las imágenes. Buenos Aires: Adriana Hidalgo 2008; Idem, Remontage du temps subi. L’œil de l’histoire, 2. Paris: Minuit, 2010.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’ivresse des formes et l’illumination profane. In: CARERI, Giovanni; Didi-Huberman, Georges. L’histoire de l’art depuis Walter Benjamin. Paris: Mimésis, 2015.

FERREIRA, Ascenso. Canna caianna. Rio de Janeiro: José Olympio, 1941, p. 23.

FREYRE, Gilberto. Manuel Bandeira, recifense. In: Perfil de Euclydes e outros perfis. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944, p. 173-181.

FREYRE, Gilberto. Nordeste. Aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1937.

FREYRE, Gilberto. (Ed.). Livro do Nordeste. Recife: Arquivo Público Estadual, 1979. [Edição Comemorativa do primeiro Centenário do Diário de Pernambuco].

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala. Ed. Guillermo Giucci, Enrique Rodriguez Larreta e Edson Nery da Fonseca. Madri-São Paulo: ALLCA XX, 2002, p. 18-19

GUIMARÃES, Júlio Castañon. Crônicas inéditas II. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 58-60.

ISHAGPOUR, Youssef. Aux origines de l´art moderne. Paris : La Différence, 1989, p. 75.

JOUANNAIS, Jean-Yves. El uso de las ruínas. Trad. J. Ramón Monreal. Barcelona: Acantilado, 2016.

LATINO, Lúcio. Anti-antropofagia. Para todos, Rio de Janeiro, a. 10, n. 516, p. 17, 3 nov. 1928.

LESMES, David. Aburrimiento y capitalismo. En la escena revolucionaria: París, 1830-1848. Valencia: Pre-textos, 2018.

LIMA, João de Souza. Moto perpetuo, a visão poética da vida através da música: autobiografia do maestro Souza Lima. São Paulo: Instituição Brasileira de Difusão Cultural, 1982.

MORAES, Marcos Antonio de. (Ed.). Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira. São Paulo: Edusp, 2001, p. 393.

REIS, Roberto. Por uma arqueologia do modernismo. Letras, Curitiba, n. 37, p. 109-110, 1988.

Downloads

Publicado

2020-05-13