Azougue: Poesia por linhas transversas

Laíse Ribas Bastos

Resumo


Este trabalho tem como objetivo analisar o percurso poético estabelecido na revista Azougue (periódico de poesia lançado em 1994), a partir de dois eixos espaciais: o espaço- revista, local de desrecalque lingüístico, na medida em que faz emergir dicções diferentes das até então veiculadas em livros e revistas de literatura; e o espaço-cidade, local de experiência urbana e ponto partida para uma tentativa de estabelecimento desse dizer. Tomando por base as reflexões de Derrida (2001) acerca do processo de arquivamento (nesse caso, poético e urbano), entende-se o espaço-revista e o espaço-cidade como locais de impressão de uma linguagem que se esvai nas páginas da revista e no próprio cenário citadino. Nesse sentido, Azougue articula distintas linhagens da poesia rumo a uma marca, uma possibilidade de perpetuação, uma potência capaz de ser mais do que uma impressão (Virno, 2003). E por isso, por linhas tranversas, faz-se traço infinito e disforme, no procedimento poético e arquivístico na revista e na cidade.

 


Palavras-chave


Azougue; Poesia; Periódico

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784x.2008v8n12p51

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon