Políticas do presente em Carlos Ríos e César Aira

Antonio Carlos Santos

Resumo


Em Manigua, Pripyat e A la sombra de Chaki Chan, Carlos Ríos nos mostra uma face da con­temporaneidade: três territó­rios na mar­gem do Império, um aban­do­nado depois de um aci­dente na Usina Nuclear de Chernobil e habitado por seres con­tami­nados pela radia­ção, outro dispu­tado por etnias em vias de desapareci­mento e um terceiro disputado por gru­pos de catadores de alumínio. São relatos que se fazem com fragmentos catados na Internet, nomes, listas de palavras, peda­ços de histórias reutilizados em uma literatura que se faz com os restos de modos de vida que resis­tem em meio ao caos da guerra permanente.


Palavras-chave


Literatura argentina; Contemporâneo; Fragmento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-784X.2013v13n19p20

Direitos autorais



Boletim de Pesquisa NELIC, ISSNe 1984-784X, Florianópolis, SC, Brasil.

 

CC-by-NC icon