Feyerabend, Interculturalismo e Etnobiologia: algumas possíveis articulações no ensino de biologia

Thales de Astrogildo e Tréz

Resumo


A formação do educador em biologia é marcada por uma abordagem cientificista, que legitima o conhecimento sobre biologia a partir da ciência ocidental em detrimento de outros conhecimentos sobre a vida. Partindo da questão sobre a vida que se privilegia na abordagem educativa tradicional da biologia, o artigo procura articular as implicações das etnociências, particularmente da etnobiologia, com a discussão sobre inter/multiculturalismo e o pensamento de Paul Feyerabend. As contribuições dos estudos e discussões provenientes deste substrato teórico são de extrema relevância para esta questão. A partir delas se pode pensar que uma outra biologia é não somente possível, mas necessária, numa aposta de defesa da legitimidade do espaço do etnoconhecimento no ensino de biologia. O elenco de um ou outro etnoconhecimento, respeitado em seu contexto, como contraponto ao unicismo da visão científica, pode ser suficiente para ampliar o horizonte de possibilidades que delimitam os saberes em relação à vida.


Palavras-chave


Etnobiologia; Feyerabend; Ensino de Biologia; Interculturalismo; Conhecimento científico

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2011v24n3p129

Direitos autorais 2011 Thales de Astrogildo e Tréz

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.