Etnoecologia de pequenos cetáceos: interações entre a pesca artesanal e golfinhos no norte do estado do Rio de Janeiro, Brasil

Gabrielle Amorim Rosa, Camilah Antunes Zappes, Ana Paula Madeira Di Beneditto

Resumo


Estudos no norte do Rio de Janeiro indicam interações entre a pesca artesanal e os cetáceos, mas não existem pesquisas que abordem o conhecimento de pescadores sobre estes animais. O objetivo deste estudo é descrever as interações entre os cetáceos e a pesca através da percepção dos pescadores de Atafona (RJ). Entre fevereiro e março de 2010 foram selecionados 20 pescadores através da técnica “bola-de-neve” e aplicado um questionário etnográfico a fim de obter dados através de relatos da percepção cultural sobre os pequenos cetáceos no norte fluminense. Cada pescador descreveu mais de um golfinho, o que explica o tamanho amostral das respostas (N=34) maior que o número de entrevistados (N=20). Pelos relatos dos informantes foram identificadas três espécies e um gênero: Sotalia guianensis (N=15; 75%); Pontoporia blainvillei (N=9; 45%); Steno bredanensis (N=6; 30%) e Stenella spp. (N=4; 20%). A resposta “colisão com artefatos” (rede de espera) foi a única descrita na questão da ocorrência de acidentes entre a pesca e os golfinhos (N=24; 71%) e a rede de espera é o artefato responsável pelo emalhe dos animais. As carcaças dos golfinhos emalhados podem ser descartadas ao mar e/ou a musculatura e gordura utilizadas como isca na pescaria de elasmobrânquios. As quatro principais espécies reportadas na literatura para a área foram as identificadas pelos pescadores. Para todos os entrevistados o emalhe é causado pelos golfinhos o que prejudica a pesca.

 


Palavras-chave


Captura acidental; Delphinidae; Etnoecologia; Pescadores artesanais

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2012v25n3p293

Direitos autorais 2012 Gabrielle Amorim Rosa, Camilah Antunes Zappes, Ana Paula Madeira Di Beneditto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.