Análise das mordidas de tubarões-charuto, Isistius spp. (Squaliformes: Dalatiidae) em cetáceos (Mammalia: Cetacea) no litoral da Bahia, Nordeste do Brasil.

Luciano Raimundo Alardo Souto, Janete Gomes Abrão Oliveira, José de Anchieta Cintra da Costa Nunes, Rodrigo Maia-Nogueira, Cláudio L. S. Sampaio

Resumo


Poucos estudos registraram sinais de mutilações em cetáceos no Brasil, especialmente aqueles provenientes de ataques de tubarões. O presente trabalho descreve interações entre tubarões-charuto, Isistius spp., e cetáceos através dos registros e análises de mordidas presentes em carcaças de cetáceos encalhados no litoral baiano, entre 1996 e 2005. Foram obtidos 20 registros de mordidas em 13 espécies de cetáceos, sendo a família Delphinidae a mais freqüente. Após análise das mordidas, Isistius plutodus foi identificado como espécie agressora em 80% dos casos, seguida de I. brasiliensis com base na forma característica das mutilações. No presente estudo as regiões dos cetáceos mais atacadas foram: flancos, 40%; cabeça e região abdominal, ambas com 20%; dorso com 15% e por último, a região urogenital com 5%. A concentração das mordidas na região dos flancos, provavelmente se deu por ser uma área maior, sendo acessada mais facilmente pelos tubarões-charuto. Apenas três mordidas foram relacionadas como possíveis causas dos encalhes de três espécies de delfinídeos. Sugerimos a intensificação dos estudos acerca das interações entre tubarões e cetáceos em todo o litoral brasileiro.

Palavras-chave


Isistius spp.; Mutilações; Cetáceos; Bahia; Brasil

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2007 Luciano Raimundo Alardo Souto, Janete Gomes Abrão Oliveira, José de Anchieta Cintra da Costa Nunes, Rodrigo Maia-Nogueira, Cláudio L. S. Sampaio

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.