Avaliação do potencial antioxidante da geleia real ao longo do tempo de armazenamento

Maria Luisa Teles Marques Florencio Alves

Resumo


A geleia real é uma substância com aspecto de pasta gelatinosa, de cor branca, ligeiramente amarelada, secretada pelas glândulas hipofaringeanas e mandibulares das abelhas operárias. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o potencial antioxidante da geleia real, ao longo do tempo de armazenamento. Os parâmetros físico-químicos utilizados foram: umidade, teor de ácido ascórbico e de fenólicos totais. As amostras foram submetidas ao processo de extração dando origem ao extrato alcoólico, que foi aplicado ao teste do 1,1-difenil-2-picrilhidrazil (DPPH) para avaliação da atividade antioxidante in vitro. A geleia real apresentou baixos teores de ácido ascórbico (de 0,75 a 1,31mg/100g base úmida) e de fenólicos totais (de 14,26 a 28,30mg EAG/100g base úmida). As porcentagens de descoloração do DPPH pelo extrato alcoólico das amostras ficaram acima de 50%, exceto aos 90 dias de armazenamento. A partir dos resultados obtidos, considerando-se os reduzidos teores de ácido ascórbico e de fenólicos totais e, ainda, o baixo desempenho do extrato alcoólico das amostras no teste de atividade antioxidante in vitro, conclui-se que a geleia real apresenta potencial antioxidante relativamente baixo. O tempo de armazenamento não foi determinante nas alterações encontradas.




Palavras-chave


Ácido Ascórbico; Compostos fenólicos; Umidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2012v25n3p257

Direitos autorais 2012 Maria Luisa Teles Marques Florencio Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.