Táticas de captura e subjugação de presas no comportamento de predação da serpente Crotalus durissus collilineatus Amaral, 1926 em cativeiro

Letícia Ruiz Sueiro, Vera Lucia de Campos Brites

Resumo


Foram realizados estudos do comportamento de predação de seis espécimes  provenientes de uma mesma ninhada de Crotalus durissus collilineatus, nascidas e criadas em cativeiro. Utilizou-se a técnica “animal focal”através do visor de vidro dos viveiros, minimizando-se possível estresse. Para cada observação, camundongos foram oferecidos às serpen  tes, sucessivamente, até que estas recusassem a presa. Esta subes pécie possui a estratégia de captura denominada espreita, através da qual realiza  a seqüência de bote, soltura da presa, rastreamento e ingestão. Dentre as predações efetuadas, 20% (n = 4) utilizaram a “apreensão” e 80%  (n = 16), o “envenenamento” como mecanismo de subjugação das presas. A utili  -zação da tática de “apreensão” ocorreu somente após a primeira predação. Constatou-se que 95% (n = 20) das ingestões iniciaram-  se pela   região cranial das presas. Independentemente da parte do corpo da presa inicial- mente ingerida, todas as serpentes apresentaram, logo após a ingestão, o comportamento de ajustamento dos ossos do crânio e da mandíbula (“bocejo”).

Palavras-chave


Crotalus durissus collilineatus; Comportamento de predação; Subjugação de presas; Serpentes; Alimentação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2006 Letícia Ruiz Sueiro, Vera Lucia de Campos Brites

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.