In vivo effects of metals on the acetylcholinesterase activity of the Perna perna mussel’s digestive gland

Afonso Celso Dias Bainy, Marisa Helena Gennari de Medeiros, Paolo Di Mascio, Eduardo Alves de Almeida

Resumo


Efeitos in vivo de metais na atividade da acetilcolinesterase em glândula digestiva de mexilhões Perna perna. Já foi demonstrado que a enzima acetilcolinesterase (AChE) é fortemente inibida por pesticidas do tipo carbamato e organofosforado, assim como por metais. Entretanto, existem recentes indícios de que metais podem causar um aumento na atividade da AChE, em exposições agudas. Neste trabalho foi avaliada a atividade da AChE em glândulas digestivas de mexilhões Perna perna expostos a metais por 12, 24, 72 e 120 horas. Os mexilhões expostos a Cu e a Fe não apresentaram nenhuma diferença significativa na atividade  da AChE, quando comparados aos animais controle. Mexilhões expostos a Cd por 72  horas e a Pb por 12 horas, tiveram atividade da AChE significativamente maior que os controles. Estes resultados podem indicar que em exposições agudas os metais poderiam interagir com receptores de acetilcolina afetando  sua eficácia de união a estes, o que poderia causar um aumento inicial na síntese de AChE, para decompor a acetilcolina acumulada.


Palavras-chave


Acetilcolinesterase; Mexilhões; Perna perna; Metal; Poluição

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2006 Afonso Celso Dias Bainy, Marisa Helena Gennari de Medeiros, Paolo Di Mascio, Eduardo Alves de Almeida

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.