A capivara, Hydrochoerus hydrochaeris (Mammalia, Rodentia), no sítio arqueológico SC PRV 02, Ilha de Santa Catarina – Santa Catarina

Pedro Volkmer de Castilho, Paulo César Simões-Lopes

Resumo


A Ilha de Santa Catarina contém dezenas de sítios arqueológicos, nos quais podem ser encontrados restos ósseos de diversos animais. O trabalho diagnostica e quantifica restos ósseos de capivaras extraídos do Sítio Arqueológico SC PRV 02 (1067 a 1735 A.P.), localizado na porção norte da Ilha de Santa Catarina nas margens da Lagoa da Conceição. Identificaram-se 37 peças, de pelo menos 12 indivíduos. A região anatômica das capivaras mais visada pelos habitantes pré-coloniais corresponde aos membros anteriores e posteriores, com cerca de 40% das peças não apresentando fusão das epífises à diáfise. Aproximadamente 48% dos ossos apresentaram evidências ou registro de atividade humana. As análises sugerem que as capivaras teriam importante papel na dieta daqueles habitantes, assim como seriam utilizadas como matérias-primas para confecção de diversos artefatos funcionais. Para a confecção desses artefatos foram diagnosticadas técnicas de manipulação como percussão e secções transversais. As evidências de carbonização e cortes superficiais indicam desmembramento, preparação e consumo de capivaras na alimentação. Entre os sítios arqueológicos de mesma época, constata-se que as mesmas técnicas foram empregadas, sugerindo que as capivaras seriam um recurso apreciado, apesar de os grupos humanos pré-coloniais da Ilha serem considerados pescadores.

Palavras-chave


Zooarqueologia; Artefatos ósseos; Capivara; Sul do Brasil

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2005 Pedro Volkmer de Castilho, Paulo César Simões-Lopes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.