Bases para a identificação das coralináceas não articuladas do litoral brasileiro - uma síntese do conhecimento

Paulo A. Horta

Resumo


Apesar da grande importância ecológica e econômica as Coralináceas não articuladas são pobremente conhecidas no mundo e especialmente no Brasil. O presente trabalho teve como objetivo facilitar o acesso às informações disponíveis sobre Coralináceas não articuladas, buscando que esta lacuna no conhecimento da flora de macroalgas brasileira seja amenizada. Estas algas têm sido estudadas desde o século XVIII, quando eram consideradas partes do reino animal, membros do grupo dos corais hermatípicos. Ao final do século XIX, com a atuação de Mikael Hegglund Foslie, o estudo da taxonomia do grupo dá um salto marcante. Muitas das espécies propostas pelo referido autor são utilizadas até hoje, como é o caso de Lithothamnion brasiliense, espécie encontrada no Estado de São Paulo. Atualmente, com a utilização de técnicas modernas para o processamento de materiais para a microscopia de luz e utilização da microscopia eletrônica de varredura, o estudo da taxonomia destas algas dá um novo salto, estando descritos aproximadamente 26 gêneros e sendo o número de espécies ainda difícil de ser estimado. Considerando o crescente interesse em se explotar estas algas, igualmente cresce a responsabilidade da comunidade ficológica em inventariar esta diversidade, subsidiando a preservação racional e eventualmente o uso sustentável deste recurso.

Palavras-chave


Corallinales; Rhodophyta; Algas calcárias; Taxonomia; Brasil

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Direitos autorais 2002 Paulo A. Horta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.