Suprimento arterial para a bolsa cloacal em aves (Gallus gallus Linnaeus, 1758) da linhagem Lhoman White LSL

Autores

  • Eduardo Maurício Mendes de Lima Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília Instituto Central de Ciências Ala Sul, Campus Universitário Darcy Ribeiro Caixa Postal 4508, CEP 70910-970, Brasília – DF, Brasil
  • Frederico Ozanam Carneiro e Silva Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia
  • Renato Souto Severino Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia
  • Sérgio Salazar Drummond Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
  • Cleide Lúcia Araújo Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
  • Pedro Primo Bombonato Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.
  • Marcelo Ismar Silva Santana Pontífi cia Universidade Católica de Minas Gerais, Poços de Caldas.

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2008v21n1p95

Palavras-chave:

Gallus gallus, Bolsa cloacal, Artérias, Linhagem Lhoman White LSL

Resumo

Foram estudados a origem, o número e a ordenação dos ramos arteriais que suprem a bolsa cloacal em 30 exemplares de Gallus gallus, da linhagem Lohman White LSL, fêmeas, com 8 a 10 semanas de idade. Estas aves tiveram seu sistema arterial preenchido com solução aquosa a 50% de Neoprene Látex “450”, corada com pigmento específico, em seguida foram fixadas em solução aquosa de formol a 10% e submetidas à dissecação. Verificou-se que a bolsa cloacal é suprida por ramos diretos das artérias bursocloacal direita, em 29 casos (96,67%), bursocloacal esquerda, em 28 casos (93,33%), cloacal direita, em 13 casos (43,33%) e cloacal esquerda, em 15 casos (50%). O número de ramos cedidos pelas artérias, independente da sua origem, variou de 2 a 6 ramos, sendo dois ramos em 5 casos (16,67%), três ramos em 14 casos (46,67%), quatro ramos em 3 casos (10%), cinco ramos em 6 casos (20%) e seis ramos em 1 caso (3,33%). Foi possível observar que a distribuição dos vasos arteriais que suprem a bolsa cloacal deu-se de maneira própria para cada um dos exemplares investigados.

Biografia do Autor

Eduardo Maurício Mendes de Lima, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília Instituto Central de Ciências Ala Sul, Campus Universitário Darcy Ribeiro Caixa Postal 4508, CEP 70910-970, Brasília – DF, Brasil

PROFESSOR ADJUNTO DA FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. DOUTOR EM CIÊNCIAS PELA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. MESTRE EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLANDIA.Certificado pelo autor em 16/08/11

Frederico Ozanam Carneiro e Silva, Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia

Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de Uberlândia (1976), especialista em anatomia animal pela Universidade Federal de Minas Gerais (1979), mestrado em Clínica Cirúrgica Veterinária pela Universidade de São Paulo (1984) e doutorado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1989). Professor titular da Universidade Federal de Uberlândia. Tem experiência na área de Morfologia, com ênfase em Anatomia Animal, atuando nas áreas relacionadas com vascularizações, inervações, topografias, anatomia clínica e cirurgia experimentais nos animais. Atuou também com professor convidado pelo programa de pós-graduação em anatomia dos animais domésticos e silvestres na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, para ministrar aulas e orientação. Consultor Ad Hoc de vários periódicos científicos como Veterinária Notícias, Ars Veterinária, Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, Biotemas Bioscience Journal, Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, Ciência Rural, Horizonte Científico e orienta na pós-graduação e graduação. Participou também da tradução e autoria de capítulos de livros.Certificado pelo autor em 18/08/11

Renato Souto Severino, Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia (1977) , especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade Federal de Uberlândia (1980) , mestrado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1987) e doutorado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1990) . Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Uberlândia, Sem vínculo - Regime Parcial da Universidade de São Paulo e Membro de corpo editorial da Veterinária Notícias. Tem experiência na área de Morfologia. Atuando principalmente nos seguintes temas: bovinos, coração, pontes de miocárdo. 13/05/08Certificado pelo autor em 13/05/08

Sérgio Salazar Drummond, Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.

possui graduação em MEDICINA VETERINARIA pela Universidade Federal de Uberlândia (1976) , mestrado pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (1992) e doutorado pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (1996) . Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Uberlândia. 28/10/09Certificado pelo autor em 28/10/09

Cleide Lúcia Araújo, Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.

possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, doutorado em Medicina pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado no Instituto de Investigações Biomédicas de Barcelona - CSIC/IDIBAPS, Espanha. Atualmente é Professor Doutor do Departamento de Patologia e Medicina Legal da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Atua como professor de Patologia Pediátrica e pesquisador na área de Patologia Experimental. Suas linhas de pesquisa são isquemia e reperfusão hepática e regeneração hepática.

Texto informado pelo autor 09/09/2011

Pedro Primo Bombonato, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (1979), mestrado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1982) e doutorado em Anatomia pela Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo (1985). Atualmente é professor titular da Universidade de São Paulo, chefe de seção técnica - Museu Anatomia Veterinária e conselheiro da Fundação Parque Zoológico de São Paulo. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em morfologia e anatomia animal, atuando principalmente nos seguintes temas: coração, timo, vascularização e morfometria e imagologia.Certificado pelo autor em 21/12/10

Marcelo Ismar Silva Santana, Pontífi cia Universidade Católica de Minas Gerais, Poços de Caldas.

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia (1996), mestrado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (1999) e doutorado em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é Professor Adjunto I na área de Anatomia Veterinária da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Morfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: artérias, irrigação, morfometria, timo, bolsa cloacal e anatomia odontológica em animais domésticos e silvestres.Certificado pelo autor em 21/09/11

Downloads

Publicado

2011-09-26

Edição

Seção

Artigos