Qualidade de ambiente para a onça-pintada, puma e jaguatirica na Baía de Guaratuba, Estado do Paraná, utilizando os aplicativos Capture e Presence

Marcelo Mazzolli, Matthias Ludwig Alfons Hammer

Resumo


Duas expedições de um mês cada foram conduzidas à Baía de Guaratuba, na Floresta Atlântica do sul do Brasil, em 2006. Parâmetros calculados a partir de amostragem de vestígios e armadilhas-fotográficas foram riqueza de espécies de mamíferos (1kg) e proporção de área ocupada(PAO) por onça-pintada, puma, e oportunisticamente, por jaguatirica. Oito qua- drantes de 4km2 foram amostrados, em uma área de 130km2, resultando em uma estimativa de 14 espécies de mamíferos (CI(Nˆ)=14 a 14, CAPTURE). PAO resultou em 25% para puma, e 100% tanto para a onça-pintada como para a jaguatirica. Argumenta-se que o esperado seria uma probabilidade de captura da onça-pintada similar a do puma, já que ambos deixam sinais em trilhas abertas quando presentes. O resultado de PAO para a onça-pintada é, portanto, considerado um artefato derivado de uma baixa fi delidade espacial e/ou baixa densidade, mais do que um produto da baixa detectabilidade da espécie. Esta conjectura é substanciada pela reduzida presença de importantes espécies-presa.Os resultados não diminuem a importância da área para a conservação da onça-pintada, ao invés disto, estas observações objetivamente identificam a necessidade de restabelecimento de populações de espécies-presa na área.


Palavras-chave


Floresta Atlântica; Jaguatirica; Onça-pintada; Proporção de área ocupada; Puma

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2008v21n2p105

Direitos autorais 2008 Marcelo Mazzolli, Matthias Ludwig Alfons Hammer

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.