Postura e comportamento lactacional de matrizes suínas mantidas sob condições de temperatura ambiente elevada

Terezinha Domiciano Dantas Martins, Alberto Neves Costa, José Humberto Vilar da Silva, Rômulo Menna Barreto Valença, Jorge Vitor Ludke

Resumo


O comportamento de matrizes suínas lactantes mantidas em ambiente quente foi determinado em 23 fêmeas de 1ª, 2ª, 3ª e ≥ 4ª ordem de parição (OP), avaliadas em quatro períodos do dia – 06 às 12h (P1); 12 às 18h (P2); 18 às 24h (P3), 24 às 06h (P4). Foram detectadas a freqüência (nº) e a duração (min) em que as matrizes ficavam sentadas (SE), em decúbito lateral (DL) e decúbito ventral (DV), em pé em ócio (OEP), ou em pé em atividade no comedouro ou bebedouro (PACB). Quanto ao comportamento lactacional foi avaliada a freqüência, o tipo e a duração da amamentação terminada pela porca (ATPOR) ou pelos leitões (ATLEI) ou concluída com sucesso (ACS). A OP influenciou o tempo usado em DL e em PACB. Com exceção da OEP, houve efeito (P<0,05) do período do dia para as demais variáveis. Conclui-se que matrizes suínas ficaram inquietas e reduziram a freqüência da postura em decúbito lateral e o número de amamentações terminadas pelos leitões nos períodos mais quentes do dia.


Palavras-chave


Estresse térmico; Comportamento; Porças; Lactação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2008v21n4p137

Direitos autorais 2008 Terezinha Domiciano Dantas Martins, Alberto Neves Costa, José Humberto Vilar da Silva, Rômulo Menna Barreto Valença, Jorge Vitor Ludke

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.