Estruturas de apoio náutico. Uma análise descritiva preliminar voltada ao planejamento e gestão: Um estudo de caso

Autores

  • Oldemar Carvalho Junior Instituto Ekko Brasil – IEB
  • Sebastião Weiber Cavalari Junior Shell Brasil EP - HSE – Environment & Licensing
  • Alesandra Bez Birolo Instituto Ekko Brasil – IEB

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n1p147

Palavras-chave:

Implantação de Estruturas de apoio náutico, Planejamento e gestão de marinas, Licenciamento de marinas

Resumo

Este trabalho é conduzido dentro da área ocupada pelo Veleiro da Ilha, uma estrutura de apoio náutico de porte médio, situada na baia sul da Ilha de Santa Catarina. O objetivo principal do projeto foi testar alguns parâmetros físico-químicos de uso potencial para analise de projetos voltados à implantação de estruturas de apoio náutico. Para tanto são realizadas coletas e análises de parâmetros ambientais como oxigênio dissolvido, cobre, sedimento de fundo e composição faunística. Dados meteorológicos como vento e temperatura do ar são obtidos paralelamente aos trabalhos de campo. Os dados comparativos entre os pontos externos de controle e os pontos internos amostrais referentes à OD e taxa de sedimentação potencial revelam que existe pouca diferença entre a circulação interna e externa da área abrigada da marina. Da mesma forma, a proximidades dos valores de concentração de OD nos três pontos amostrais indicam a pouca influencia das estruturas vazadas de abrigo na circulação interna da marina. A concentração de OD tende a ter valores mais altos com menor temperatura e aumento da intensidade do vento. Os altos valores obtidos de coliformes podem estar associados à liberação de esgotos clandestinos, visto que a Marina Veleiros da Ilha possui sistema de tratamento de resíduos orgânicos. Como os valores obtidos de cobre são inferiores ao limite estabelecido por lei, pode-se concluir que a concentração do elemento encontra-se em níveis aceitáveis. A entrada da marina situa-se em uma posição não indicada. No entanto, os efeitos causados são minimizados pelos espaçamentos entre as vigas de sustentação das estruturas de abrigo. Este espaçamento promove uma boa circulação interna da água.

Biografia do Autor

Oldemar Carvalho Junior, Instituto Ekko Brasil – IEB

Instituto Ekko Brasil – IEBCaixa Postal 4581, R. João Motta Espezim, 583  CEP 88045-401, Florianópolis – SC, Brasil

Sebastião Weiber Cavalari Junior, Shell Brasil EP - HSE – Environment & Licensing

Shell Brasil EP - HSE – Environment & Licensing Av. das Américas, 4200 Bloco 6, CEP 22640-102, Rio de Janeiro – RJ, Brasil

Alesandra Bez Birolo, Instituto Ekko Brasil – IEB

Instituto Ekko Brasil – IEB   Caixa Postal 4581, R. João Motta Espezim, 583 CEP 88045-401, Florianópolis – SC, Brasil

Downloads

Publicado

2009-08-31

Edição

Seção

Artigos