Criação de tilápias no efluente doméstico tratado em lagoas de estabilização

Clovis Matheus Pereira, Flavio Rubens Lapolli

Resumo


A capacidade de produção e a qualidade da carne das tilápias (Oreochromis niloticus) criadas no efluente de lagoas de estabilização foram testadas nas densidades de 3 peixes/m2 (T2) e 7 peixes/m2 (T3) e a criação de 7 peixes/m2 em água limpa + ração(T1) utilizando 3 repetições para cada tratamento em tanques de 2,57m2 e 0,60m de coluna d’água com aeração tipo airlift. Os peixes criados em água limpa e ração (T1) cresceram mais. A maior densidade do T3 (7/m2) com relação ao T2 (3/m2) não proporcionou diferença na produção total final (p>0,05), compensado pelo maior crescimento individual dos peixes em menor densidade. As condições para sobrevivência dos peixes no efluente da ETE são atestadas pela alta sobrevivência (>90%) nos tratamentos T2 e T3; mas as concentrações de N – amônia total em apenas 10% das amostras coletadas se mostraram favoráveis ao crescimento dos peixes (< 2,0mg/L). O sistema de criação de peixes melhorou a qualidade do efluente gerado, reduzindo as concentrações de Nitrogênio orgânico total e diminuindo os sólidos suspensos. As análises de coliformes fecais, Salmonella sp. e Staphylococcus aureus dos efluentes e da carne dos peixes produzidos ficaram dentro dos padrões exigidos pela OMS (Organização Mundial de Saúde).


Palavras-chave


Piscicultura; Reuso de água; Qualidade de água; Tratamento de esgotos

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2009v22n1p93

Direitos autorais 2011 Clovis Matheus Pereira, Flavio Rubens Lapolli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.