Disponibilidade de microhabitats para Myxomycetes em Floresta Atlântica: Bromeliaceae

Inaldo do Nascimento Ferreira, Laise de Holanda Cavalcanti

Resumo


Algumas espécies da família Bromeliacea são denominadas de "bromélias-tanque" devido à disposição em roseta de suas folhas que acumulam água e detritos orgânicos, permitindo o desenvolvimento de diferentes organismos. Considerando que informações sobre a presença de mixomicetos em Bromeliaceae são escassas, avaliou-se a disponibilidade e ocupação de microhabitats para estes organismos oferecidos por bromeliáceas em fragmentos de Floresta Atlântica situados no Centro de Endemismo Pernambuco. As coletas de esporocarpos e substratos para cultivo em câmara-úmida foram realizadas na Reserva Ecológica do Janga (Paulista), Estação Ecológica do Tapacurá (São Lourenço da Mata) e Mata do Estado (São Vicente Ferrer) entre 2007 e 2008. Dez espécies de mixomicetos estavam presentes em partes mortas de representantes das Bromelioideae e Tillandsioideae: Arcyria cinerea, Craterium leucocephalum, C. paraguayense, Cribraria intricata, Diachea silvaepluvialis, Hemitrichia serpula, Physarum compressum, P. nucleatum, Stemonitis fusca e Trichia. Todos os táxons constituem primeira referência para os locais estudados, incluindo espécies raras, como D. silvaepluvialis. Conclui-se com este trabalho que o microhabitat estudado apresenta elevada diversidade taxonômica, mas as espécies nele registradas foram raras ou ocasionais.


Palavras-chave


Bromélia; Myxomycetes; Neotrópicos; Unidades de conservação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2010v23n3p1

Direitos autorais 2010 Inaldo do Nascimento Ferreira, Laise de Holanda Cavalcanti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.