Alimentação de Ctenogobius shufeldti (Jordan e Eigenmann, 1887) (Teleostei, Gobiidae) na Baía de Guaratuba, Atlântico oeste subtropical

Diego Zanlorenzi, Paulo de Tarso Chaves

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2011v24n1p37

A dieta do teleósteo Ctenogobius shufeldti foi estudada na Baía de Guaratuba, litoral sul do Brasil, objetivando descrever variações espaço-temporais e compreender a participação dessa espécie criptobêntica na teia trófica da comunidade deste sistema estuarino. Foram analisados 397 espécimes (comprimento total de 21 a 70mm) em 12 meses de amostragem junto à vegetação marginal da região mais interna da Baía e porção final de dois rios afluentes. O conteúdo estomacal foi identificado e os dados foram transformados em Frequência de Ocorrência e Contagem de Pontos. A conjugação desses dois métodos através do Índice Alimentar informou que a dieta da espécie compõe-se principalmente de Ostracoda (IA=50,51) e Tanaidacea (IA=40,85) somados a algas filamentosas Chlorophyta (IA=2,15) e Rodophyta (IA=0,15) e Material Vegetal Superior (IA=4,99), incluindo secundariamente, Gastropoda (IA=1,21), Amphipoda (IA=0,10), Isopoda (IA=0,01), Cirripedia (IA=0,01), larvas de Decapoda (IA=0,01) e Insecta (IA=0,01). Exceto pelas larvas de Decapoda, os itens consumidos foram os mesmos nos dois rios. A dieta foi mais diversificada nestes que na Baía, área em que Amphipoda e Cirripedia não foram registrados. Algas filamentosas Chlorophyta e Rodophyta não haviam sido reportadas na dieta da espécie em estuários próximos a Guaratuba. Segundo Depczynski e Bellwood (2003), sobre dieta de peixes criptobênticos, conclui-se que na região de estudo C. shufeldti disponibiza energia a outros componentes da teia trófica não apenas pela predação de animais bentônicos, mas também pela ingestão de algas e outros vegetais.
Propõe-se então que seu largo espectro trófico, compreendendo invertebrados e vegetais, resulte da influência marinha e continental a que a região estudada se encontra submetida.


Palavras-chave


Dieta; Estuário; Ostracoda; Peixes criptobênticos; Rios; Tanaidacea

Texto completo:

PDF/A


Direitos autorais 2011 Diego Zanlorenzi, Paulo de Tarso Chaves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.