Myxomycetes associados a cactáceas no agreste e sertão de Pernambuco, Brasil.

Inaldo Nascimento Ferreira, Laise de Holanda Cavalcanti

Resumo


Os trabalhos que mencionam a presença de Myxomycetes em regiões áridas e semi-áridas do planeta têm revelado elevada diversidade de espécies e descrito novos táxons para a ciência. Nestes ambientes, os mixomicetos ocupam microhabitats especiais, como o oferecido pelas plantas suculentas. Com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre as espécies que ocorrem em ambientes semi-áridos, foi investigada a presença de mixomicetos em Cereus jamacaru (mandacaru), Melocactus bahiensis (coroa de frade), Opuntia fícus-indica(palma forrageira) e Pilocereus gounellei (xique-xique), cactáceas que compõem a paisagem natural dos municípios de Buique, Mirandiba e Serra Talhada, situados no agreste e sertão de Pernambuco, Brasil. Foram obtidos 158 espécimes (campo e câmara-úmida), representando 16 espécies, distribuídas em nove gêneros, com elevada diversidade taxonômica (S/G= 0,63-1,5). Todas as espécies constituem novas referências para os municípios estudados. Comatricha pulchella, Diachea leucopodia, Didymium nigripes e Physarum bogoriense estão sendo mencionadas pela primeira vez para ambiente de Caatinga; Didymium squamulosum e Physarum echinosporum são novas referências para a região semi-árida do Brasil. Badhamia melanospora e Physarum compressum foram as espécies mais abundantes e freqüentes, caracterizando-se como constantes na mixobiota de Caatinga.


Palavras-chave


Mixobiota; Caatinga; Suculentas; Semi-árido; Microhabitat

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2011v24n2p1

Direitos autorais 2011 Inaldo Nascimento Ferreira, Laise de Holanda Cavalcanti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.