Fenologia reprodutiva, polinização e frutificação de Heliconia spathocircinata Aristeg. (Heliconiaceae) em fragmento de Floresta Atlântica do município do Rio de Janeiro

Autores

  • Caio César Corrêa Missagia Fundação Técnico Educacional Souza Marques
  • Fábio de Castro Verçoza

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2011v24n3p13

Palavras-chave:

Beija-flores, Floresta Atlântica, Frutificação, Heliconia, Polinização

Resumo

Este estudo apresenta aspectos da fenologia e da biologia reprodutiva de Heliconia spathocircinata Aristeg. em áreas de borda e interior de um fragmento de Mata Atlântica no município do Rio de Janeiro, Brasil. Quatro parcelas de 10x10m foram delimitadas, duas na borda e duas no interior da mata, e indivíduos de H. spathocircinata foram monitorados de junho de 2009 a junho de 2010. As observações foram realizadas das 6:00 às 18:00 horas, semanalmente em dezembro e janeiro, e quinzenalmente no restante da floração. Heliconia spathocircinata floresce entre novembro e março. Seus frutos encontram-se maduros dois meses após a polinização. A proporção flores-frutos foi em média 66,6% no interior e 27% na borda da mata. Machos do beija-flor Thalurania glaucopis Gmelin correspondem ao polinizador mais frequente em todas as parcelas estudadas, o segundo polinizador mais frequente nas quatro parcelas foram fêmeas desta mesma espécie. Phaethornis ruber L. foi o terceiro polinizador mais frequente nas quatro parcelas, Ramphodonnaevius Dumont somente foi observado no interior da mata, sendo o quarto polinizador mais frequente nas duas parcelas. Eupetomena macroura Gmelin e Amazilia fimbriata Gmelin foram observados somente nas parcelas de borda, são o quarto e quinto polinizador mais frequentes em ambas as parcelas.

 

Downloads

Publicado

2011-07-05

Edição

Seção

Artigos