Dispersão zoocórica e hidrocórica marítima de Opuntia monacantha (Willd.) Haw. (Cactaceae)

Maurício Lenzi, Josy Zarur de Matos

Resumo


Adaptações evolutivas na morfologia e fisiologia das cactáceas têm sido associadas aos seus mecanismos de dispersão e colonização. Os mecanismos e modos de dispersão de Opuntia monacantha (Willd.) Haw. (Cactaceae) foram caracterizados em duas praias de Florianópolis, SC, Brasil. Um marsupial do gênero Didelphis (Mammalia: Didelphidae) foi o único frugívoro e, portanto, dispersor de frutos, apresentando locais específicos para alimentação. A hidrocoria marítima ocorreu após a invasão marinha sobre a vegetação de restinga, caracterizando-se pela dispersão de cladódios e frutos em várias épocas do ano. Descreve-se pela primeira vez a ação do mar como potencial dispersor para uma espécie de cactos.


Palavras-chave


Cactos; Didelphis; Frugivoria; Invasão marinha; Restinga

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2012v25n1p47

Direitos autorais 2012 Maurício Lenzi, Josy Zarur de Matos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.