Características anatômicas do plexo braquial de bicho-preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus Illiger, 1811)

Marta Adami, Gessica Ariane de Melo Cruz, Vera Lúcia de Oliveira

Resumo


Oito cadáveres machos e fêmeas previamente formolizados de bicho-preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus) foram utilizados para a identificação da origem, nervos e território de inervação do plexo braquial, visando o estabelecimento de um padrão anatômico para a espécie. O plexo braquial de bicho-preguiça-de-coleira derivou-se dos nervos espinhais C7 a C10 e T1 a T2, sendo a participação de T2 variável. Os nervos espinhais originaram os troncos cranial e caudal que se uniram e formaram um tronco comum que emitiu dois fascículos, a partir dos quais se originaram todos os nervos do plexo braquial, com exceção dos nervos peitorais, torácico longo e supraescapular, que surgiram antes da formação do tronco comum. A organização do plexo braquial em troncos e fascículos, com posterior origem dos nervos periféricos, indica a contribuição da maioria dos nervos espinhais relacionados na composição dos nervos periféricos e a possibilidade de comprometimento de grande parte do membro torácico em situações de traumas ou lesões.


Palavras-chave


Membro torácico; Sistema nervoso; Xenarthra

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p195

Direitos autorais 2013 Marta Adami, Gessica Ariane de Melo Cruz, Vera Lúcia de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Biotemas. UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 2175-7925

Licença Creative Commons
Este periódico está licenciado conforme Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.