Características anatômicas do plexo braquial de bicho-preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus Illiger, 1811)

Autores

  • Marta Adami Universidade Federal da Bahia Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia
  • Gessica Ariane de Melo Cruz
  • Vera Lúcia de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p195

Palavras-chave:

Membro torácico, Sistema nervoso, Xenarthra

Resumo

Oito cadáveres machos e fêmeas previamente formolizados de bicho-preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus) foram utilizados para a identificação da origem, nervos e território de inervação do plexo braquial, visando o estabelecimento de um padrão anatômico para a espécie. O plexo braquial de bicho-preguiça-de-coleira derivou-se dos nervos espinhais C7 a C10 e T1 a T2, sendo a participação de T2 variável. Os nervos espinhais originaram os troncos cranial e caudal que se uniram e formaram um tronco comum que emitiu dois fascículos, a partir dos quais se originaram todos os nervos do plexo braquial, com exceção dos nervos peitorais, torácico longo e supraescapular, que surgiram antes da formação do tronco comum. A organização do plexo braquial em troncos e fascículos, com posterior origem dos nervos periféricos, indica a contribuição da maioria dos nervos espinhais relacionados na composição dos nervos periféricos e a possibilidade de comprometimento de grande parte do membro torácico em situações de traumas ou lesões.

Downloads

Publicado

2013-04-30

Edição

Seção

Artigos